Absenteísmo e violência doméstica | MUVUCA POPULAR

Sábado, 22 de Setembro de 2018

ARTIGOS Segunda-feira, 10 de Setembro de 2018, 11h:48 | - A | + A




Absenteísmo e violência doméstica

Absenteísmo e violência doméstica

A violência doméstica e familiar contra as mulheres gera danos imensuráveis. Segundo estudo apresentado no dia 05 do corrente mês e ano, pelo economista José Raimundo Carvalho, professor da Universidade Federal do Ceará, toda a sociedade está fadada ao sofrimento junto a elas.

O absenteísmo das mulheres, ou seja, a falta ao trabalho por conta da violência doméstica e familiar é constante. Pelo analisado, 12,5% das mulheres empregadas nas capitais nordestinas sofreram algum tipo de violência doméstica nos últimos 12 meses. Dessas vítimas, 25% afirmaram ter perdido ao menos um dia de trabalho em razão das agressões. Narrou o pesquisador que esse tipo de agressão é "como um choque negativo no capital humano da mulher".

Em 2016, dados divulgados pelo Banco Mundial, em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento, apontou que em todo mundo a violência contra a mulher é causa para 20% das ausências femininas no ambiente de trabalho.

No trabalho, convive-se com inúmeras vítimas sem o conhecimento sobre a realidade do que vivencia no lar. Os sinais ficam evidentes, porém, às vezes, nada se pode fazer.

Mulheres que passam a usar roupas de gola alta e mangas compridas sem costume, podem estar mascarando lesões corporais. Empregadas que mudam a forma de se portar repentinamente, ficando tristes ou depressivas, podem, também, estar sendo vítimas. Elas escondem por vergonha, ou para não se tornar um fardo ou descrédito social.

É de suma importância o trabalho dentro de qualquer espaço, seja particular ou público, quanto aos males causados pela violência doméstica e familiar, prevenindo danos de maior monta. A desconstrução de uma vida de submissão e medo passa a ser resgate feminino da dignidade.

Vive-se, na atualidade, um viés diferenciado. Com a independência, mulheres incidem ser vítimas, inclusive, de feminicídio, pelo inconformismo do homem com essa nova face feminina.

Essa violência, como sempre dito, sai do lar conjugal, atingindo a sociedade, as empresas e o Poder Público de maneira gritante. Atinge o PIB e acrescenta ao Poder Público gastos inesperado. É só pensar. A vítima ao acionar uma viatura da polícia, está fazendo uso do combustível e efetivo. Se houve lesão corporal, ao se dirigir a um hospital, ou acionar o SAMU, trará gastos de material e pessoal. Se necessitar de internação, o consumo será maior. Se as lesões foram psicológicas, a equipe multidisciplinar do Poder Público também será acionada. Sem contar, os gastos pelo absenteísmo.

Rose Marie Muraro, no livro "Identidade Feminina", em poucas palavras descreve o sofrimento feminino: "Sua máscara projeta uma imagem correta, adequada e eficiente. As emoções cuidadosamente controladas, os desejos devidamente selecionados, os ideias eficientemente adequados, cumpre suas funções. O corpo ferido, a sexualidade reprimida, o coração perdido, distribui amor contido. Convive com as vicissitudes, sem saber como incorporá-las à sua história. O sucesso e o fracasso confundem-se nela, numa sensação difusa de inadequação. Ataca para mostrar-se viva, defende-se para não morrer. O estupor toma conta de sua alma."

ROSANA LEITE ANTUNES DE BARROS é defensora pública estadual.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Wellington reúne centenas de pessoas em caminhada
Morrem peixes em massa na Salgadeira
Mulher chora ao encontrar "o professor"
Seria machismo?
O que explica o MDB apoiar Mauro Mendes?

Últimas Notícias
22.09.2018 - 14:11
22.09.2018 - 13:54
22.09.2018 - 13:52
22.09.2018 - 12:18




Informe Publicitário