Igreja Batista Getsemâni

Leitão engrossa coro que pede taxação do agronegócio

Em relação a Lei Kandir, o deputado defende a manutenção da mesma, mas concorda que se deve ter uma maior compensação aos Estados

Daniela Castro

Depois de mais um escândalo envolvendo a ingerência de Pedro Taques (PSDB) à frente do governo do Estado, revelado pelo Relatório do Tesouro Nacional que mostrou que o governador gastou mais com pessoal do que o permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Leia também: Pedro Taques deixa Mato Grosso falido

A pressão para que o novo governador, Mauro Mendes (DEM), cobre impostos do setor do Agronegócio, como uma das medidas iniciais para aumentar a arrecadação do estado, aumentou e ganhou o apoio do deputado federal e ex-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) no Congresso Nacional, Nilson Leitão (PSDB).

Leia também: Editorial: Crise financeira, RGA, Greve; Taxar o Agro pode ser um começo

Leitão declarou que apoia a reivindicação do senador Jayme Campos (DEM) para que se intensifique a fiscalização e que o estado passe a cobrar impostos do setor produtivo, através de uma lei para determinar que parte da produção comercializada no mercado interno gere cobrança de ICMS e aumento da receita.

"A reclamação do senador Jayme Campos é pertinente e com razão. A briga dele não é com o setor, mas com aqueles que continuam sonegando, cometendo crimes. Sabemos que parte dos produtores, dizem que exportam tudo, mas acabam vendendo a commoditie no mercado interno. E tentam camuflar isso para não pagar impostos", disse o deputado.

Agora, em relação a Lei Kandir, que exonera as exportações, o deputado defende a manutenção da mesma, mas concorda que se deve ter uma maior compensação aos Estados exportadores. "A Lei Kandir garante a nossa competitividade e nisso não devemos mexer. Agora é preciso rever essa compensação e isso está sendo discutido no Congresso agora", justificou. 


Fonte: MUVUCA POPULAR

Visite o website: http://www.muvucapopular.com.br