EM DEFESA DA SOCIEDADE

TCE abril

125 mulheres foram violentadas em MT nos primeiros sete meses deste ano

Levantamento da Polícia Civil aponta 91 casos de abuso sexual e 79 tentativas de estupro, de janeiro a julho deste ano.

Cidades

Redação 248 acessos

125 mulheres foram violentadas em MT nos primeiros sete meses deste ano

De janeiro a julho deste ano, 125 mulheres foram violentadas em Mato Grosso, de acordo com a Polícia Civil. Nesse período, foram registrados 91 casos de abuso sexual e 79 tentativas de estupro.

Uma dessas vítimas, que pediu para não ter o nome divulgado, contou que foi abordada quando iria entrar no carro, na Rua Castelo Branco, na região central de Cuiabá. A abordagem foi em um fim de semana, por volta de 18h. A vítima denunciou o agressor para a polícia, fez exame de corpo de delito, mas até agora ninguém foi preso.

Imagens capturadas por câmeras instaladas no local mostram o homem atravessando a rua e abordando a motorista do carro. Segundo a vítima, ele se aproximou e pediu. Sem suspeitar de nada, ela deu uma moeda. Quando ela entrou no veículo, ele a empurrou e tentou estuprá-la. "Ele me empurrou para dentro do carro e disse para mim: 'quieta, quieta, e pegou no meu pescoço'", contou.

De acordo com a Polícia Civil, esse caso está sendo investigado pela delegada Nubya Beatriz Gomes dos Reis, da Delegacia da Mulher.

A defensora pública Rosana Leite, que é coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher, afirma que tem havendo uma persistência dos agressores. "Eles estão persistindo em tentar fazer com que a mulher seja forçada a atos que não são sexuais, que são estupro", disse.

A defensora explica que, mesmo que o ato não tenha sido consumado, já é configurado estupro. "Se ele encostou, ou tentou tirar suas vestes, entendo que, com a nova tificação do estupro, essa mulher foi estuprada por esse homem", pontuou.

Segundo a Polícia Civil, em caso de estupro consumado, a vítima é atendida pela Delegacia da Mulher, onde é priorizada a coleta de provas técnicas, como material genético durante o exame pericial, que vai subsidiar a investigação para futura responsabilização do agressor.

Em seguida, são tomadas providências no sentido de assegurar a saúde da vítima. A mulher é encaminhada ao hospital julio muller - unidade de referência para o atendimento à vítima de violência sexual. No hospital são ministrados coquetéis para evitar a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis e também a pílula do dia seguinte para inibir possível gravidez. Retornando a delegacia, a mulher passa pelo atendimento da equipe psicossocial, em uma faculdade de Cuiabá.

Comente, sua opinião é Importante!

Uninter - Banner JPG