EM DEFESA DA SOCIEDADE

AL Cidadão abril

CASA DOS HORRORES: PRESIDENTE É O QUE MAIS FALTA

Justino Malheiros teve 15 faltas. Vereadores aprovaram 13ª, RGA e possibilidade de contratar 'funcionários fantasmas' em seus respectivos gabinetes.

Coluna Popular

Redação 448 acessos 1



O presidente da Câmara de Cuiabá Justino Malheiros (PV) é o vereador que mais faltou às sessões plenárias durante o ano de 2017. A informação é da repórter Kamila Arruda (Diário de Cuiabá). No total, Malheiros esteve ausente em 15 plenárias, sendo que apresentou justificativa apenas para sete faltas. 

Com isso, a sua frequência de participação na votação de projetos e discussões de temas relacionados à Capital foi de 75%. Os dados constam no portal da transparência da Casa de Leis. 

Por meio de sua assessoria, o parlamentar afirma parte das ausências se deu em decorrência das duas cirurgias que fez na mão. Entretanto, ele teve oito faltas não justificadas. 

Seguido de Malheiros, temos os vereadores tucanos Adevair Cabral e Toninho de Souza. Ambos deixaram de participar de 12 sessões ordinárias. Entre os que menos faltaram, por sua vez, estão Diego Guimarães (PP) e Abílio Júnior (PSC), com apenas uma ausência. 

Apesar dos índices, a grande maioria participou das votações polêmicas que ocorreram na Casa de Leis em 2017, como a criação do 13ª para os parlamentares. 

A partir deste ano, os vereadores receberam em dezembro R$ 15 mil a mais referente ao “benefício”. Vale lembrar que, cada parlamentar possui uma remuneração de R$ 15 mil, e ainda tem direito a uma verba indenizatória de R$ 9,2 mil mensais. O 13ª para os vereadores irá onerar os cofres públicos em R$ 397,5 mil. 

Vale acrescentar ainda que, a mesma mensagem que criou o 13ª ainda garante o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) dos salários dos vereadores e servidores do Parlamento Municipal, o que deve elevar ainda mais o gasto com os vereadores. 

Além disso, durante a última sessão do ano os vereadores aprovaram uma lei que redefiniu o quadro de servidores da Casa de Leis, garantindo a recontratação de 410 servidores comissionados. 

Isto porque, em outubro passado, sob a alegação de dificuldades financeiras e estouro da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), a Mesa Diretoria demitiu cerca de 460 contratados. 

A aprovação do projeto, entretanto, representa uma redução de apenas 50 cargos. A intenção, conforme os parlamentares, era redução de gastos. Contudo, vários cargos no legislativo municipal tiveram os salários reajustados.

Um exemplo disso foi o aumento da verba indenizatória dos chefes de gabinete, o que irá representar um aumento de R$ 175 mil nas despesas do Legislativo, uma vez que ela saltou de R$ 4,2 mil para R$ 7 mil. No ano, este montante chegará a 2,1 milhões. 

O que dizem sobre isso?

  1. Gost chef. O sapo chefe da porcalhada fantasmagórica

Comente, sua opinião é Importante!

Pontuando rodapé