EM DEFESA DA SOCIEDADE

AL ago mais 2 com link

SERVIDORES DESABAFAM E APONTAM PREJUÍZOS CAUSADOS PELA GESTÃO DE TAQUES

Os sindicatos e Associações pertencentes ao Fórum Sindical do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso desbafaram por meio de nota sobre a tocante política salarial.

Coluna Popular

Redação 503 acessos



Os sindicatos e Associações pertencentes ao Fórum Sindical do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso desbafaram por meio de nota sobre a tocante política salarial. Eles disseram que o atual governo tem trazido reflexos desastrosos a economia do Estado, principalmente ao comércio e diretamente na vida das famílias dos servidores públicos.

Também destacam, que após parcelamentos da RGA, no final do ano de 2016, o governo deixou de quitar a folha de pagamentos dos quase 100 mil servidores civis, militares, ativos, aposentados e pensionistas no último dia útil do mês, como era feito há mais de 10 anos, passando a pagar até o dia 10 do mês subsequente, como permite a Constituição Estadual.

Além disso, revelam que descumpriram com a Lei Complementar 560/2014, passando a pagar os aposentados e pensionistas com atrasos constantes. Essa iniciativa permitiu ao governo fazer caixa com uma folha de pagamentos integral de 2016 para 2017, mas agravou ainda mais a situação financeira pessoal dos servidores do poder executivo, já que passaram a atrasar o pagamento de suas contas pessoais e a incorrer em mais empréstimos para saldar, pagando juros e correção monetária.

E desde setembro de 2017 vem atrasando, porque passou a pagar após o dia 10.

"Para nós Dirigentes Sindicais é muito preocupante quando tomamos conhecimento do teor do Relatório Técnico de Análise da Defesa das Contas Anuais do Governo do Estado de Mato Grosso, de 2016, emitido pelo Tribunal de Contas do Estado e que irá para a pauta de votação da Assembleia Legislativa ainda este mês. Percebemos erros recorrentes do ano de 2015, chegando à conclusão que o governo realmente não se planejou para que o Estado desse sustentação às ações essenciais em serviços para a população, pagando os compromissos em dias", diz nota.

Os servidores também denunciam, o aumento da renúncia e incentivos fiscais, eles apontam que o governo realizou operações de empréstimos das receitas de transferências constitucionais federais dos fundos da educação básica e da saúde para financiar outras secretarias e com essa necessidade de financiamento demonstra que o Estado carece de uma Reforma Fiscal que foque na ótica de incrementos para a Receita, já que a todo momento se mostra focado na diminuição das despesas a exemplo da adesão ao pacote de ajuste fiscal do governo federal com a aprovação da PEC do Teto de Gastos, e essa inércia acarretou atrasos no pagamento dos servidores, prestadores de serviços, fornecedores, dentre outros credores.

E pontuam ser notório que os representantes políticos do setor produtivo (maioria absoluta) querem cada vez mais zerar a tributação na fonte com concessões de isenções, renúncias e incentivos fiscais, passando a tributação a ser focada quase que exclusivamente no consumo, ou seja, passando quase que exclusivamente à população o financiamento das contas públicas, através de impostos embutidos no consumo de bens e serviços.

Comente, sua opinião é Importante!

Pontuando rodapé