EM DEFESA DA SOCIEDADE

TCE abril

Investigação dos grampos está parada e Taques monta estratégia para terminar em pizza

Governo se manteve firme na decisão de montar a central dos grampos. Agora age para esconder tudo

Denuncia

José Marcondes Muvuca 2094 acessos 3

Investigação dos grampos está parada e Taques monta estratégia para terminar em pizza
MUVUCA POPULAR

O caso da "Grampolândia Pantaneira" ainda não chegou ao fim. Embora depois que retiraram da alçada do desembargador Orlando Perri, tudo começou andar à passos de tartaruga.

O fato mais recente é a autorização da Justiça para o major Ferronato manter contato com a esposa, a delegada Geanne, lotada no gabinete da Secretaria de Segurança. O detalhe é que a delegada é cedida pelo estado de Roraima, e a sua especialidade é a doutrina da inteligência policial. Por acaso, a mesma especialidade do major Ferronato.

O quebra-cabeças montado pelo governo para estancar a investigação segue sendo montado por mãos invisíveis.

Segundo a delegada, o código de honra do policial militar de "amar a verdade e a responsabilidade como fundamento da dignidade pessoal" entra em choque psicológico na dissimulação do agente infiltrado. Ou seja, vale a pena mentir e "arregaçar" qualquer um quando a segurança do Estado estiver em jogo. O major complementa a diretriz dizendo que a missão de inteligência do Estado, e a própria Inteligência, se acaba quando os pilares do sigilo, legalidade e ética são abalados. Quando houver essa ocorrência é necessária a retirada dos agentes de campo.

A delegada Geanne foi cedida pelo estado de Roraima em 07/11/2014, mesmo com a negativa do Colégio de Delegados dada no dia anterior. Isso porque a delegada atuou de 2004 até 2008 na carreira, e depois trabalhou internamente na Casa Civil até 2012, mesmo com a carência de policiais, e depois foi cedida para seção federal de grandes eventos, para acompanhar as manifestações pré-Impeachment no Distrito Federal até 2014. 

Em resumo, antes de assumir, Taques já começou a montar a equipe de inteligência policial, e duas coisas os moveram: Fazer parte do governo, como prestígio, e com a desculpa de desbaratar a corrupção de MT, usando esse meio, a escuta, ainda que fosse ilegal, como se estivessem pensando na sociedade como um todo.

Dentro da cabeça deles, da doutrina, há o inimigo, o bandido, o corrupto, então não fizeram errado. Mas, foram desvirtuados quando passaram a grampear todos os desafetos do novo governo, os desafetos viraram o "outro", o inimigo do governador virou inimigo de MT.

Resta saber se na cabeça dos delegados e do major, Tatiane Sangale, Janaina Riva e José Marcondes Muvuca são os 'inimigos do estado'.

O que dizem sobre isso?

  1. Quem como Deus? Elê não demora, capricha! Os ímpios sentirao o peso das maos de Deus sobré eles.

  2. Discordo do texto. O quebra cabeça não está sendo montado por mãos invisíveis, e sim por mãozinhas pequenas. Se é que me entendem...

  3. Eu não entendi uma coisa, mandou a investigação p Brasília, depois voltou pra MT, é pra ganhar tempo ??? Tinha que voltar era pra mão de Perri

Comente, sua opinião é Importante!

Pontuando rodapé