EM DEFESA DA SOCIEDADE

Calote no RGA faz empresários perderem confiança em Cuiabá, diz pesquisa

11,2% deixa de circular no comércio e provoca fechamento de lojas e demissão em massa

Economia

Redação 6638 acessos 2

Calote no RGA faz empresários perderem confiança em Cuiabá, diz pesquisa
De nada adiantou a romaria de empresários suspeitos para dar opinião, ir ao gabinete do governador Pedro Taques apoiá-lo na decisão de não pagar a RGA dos servidores públicos. Os números reais mostram que o Índice de Confiança dos Empresários do Comércio de Cuiabá caiu no mês de junho, em relação ao mês anterior, chegando a 92,1 pontos, segundo o balanço divulgado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Mato Grosso (Fecomércio).
 
Os comerciantes prevêem queda nos negócios, principalmente porque dependem do funcionalismo e sem o reajuste (RGA) de 11,28% as quedas vão cair na mesma proporção. De acordo com o balanço, em maio deste ano, o índice registrado foi de 93,7. Em relação a junho de 2015, a queda é ainda maior: 3,4 pontos.
 
Segundo a Fecomércio, o fechamento de lojas e o número de demissões registradas no início deste ano impactaram diretamente no índice alcançado neste mês. De acordo com a Federação, os dados de emprego do varejo mostram que foram fechados 3.290 postos de trabalho formais entre janeiro e abril deste ano em Mato Grosso. O número preocupa a entidade, principalmente se comparado com o mesmo período do ano passado, quando foram abertas 2.769 vagas em todo o estado.
 
A queda no índice de confiança dos empresários pode ser justificada por três crises diferentes, duas delas relacionadas diretamente com o governo do estado: a primeira, um impasse entre a classe empresarial em relação ao decreto 380; a segunda, econômica, que pode ser sentida no cenário nacional; e a terceira é o embate entre servidores públicos em greve e o estado, devido ao pagamento da Revisão Geral Anual (RGA).
 
A crise mais difícil de ser contornada, apontada pelo comércio, é a travada entre o funcionalismo público e o governo do estado. A greve dos servidores e o impasse quanto ao pagamento da recomposição da inflação de 2015, fixado em 11.28%, afeta diretamente os comerciantes. Setenta por cento da população está na Grande Cuiabá. Isso quer dizer que os números relacionados a comercialização e venda para funcionários públicos é muito grande. Com essa crise, eles não compram e o comércio sente isso.

O que dizem sobre isso?

  1. Os empresários que defendem o governo são aqueles beneficiados por incentivos e renúncias, que prejudicam muito o Estado, pois além de derrubar a arrecadação, ainda demitem funcionários. Eita governo doido!

  2. Senhores empresários esse governo está querendo afundar O ESTADO DE MT , preste atenção..., mas ele é passageiro, mas nós estaremos sempre aqui.

Comente, sua opinião é Importante!

Uninter - Banner JPG