EM DEFESA DA SOCIEDADE

TCE Fevereiro

Em depoimento, Zaque reitera que Taques tinha conhecimento das escutas clandestinas

Promotor disse que alertou por várias vezes o governador sobre o maior escândalo político dos últimos anos em Mato Grosso; Taques nada fez

Judiciario

Redação 3053 acessos 3

Em depoimento, Zaque reitera que Taques tinha conhecimento das escutas clandestinas
Marcio Camilo

O promotor Mauro Zaque confirmou o envolvimento do governador Pedro Taques (PSDB) no caso dos grampos ilegais de Mato Grosso operados pela alta cúpula do governo. A confirmação foi feita na manhã desta sexta-feira (09), durante depoimento de Zaque na 11ª Vara Criminal Especializada da Justiça Militar da Comarca de Cuiabá,

Ao juiz Murilo Moura Mesquita, o promotor disse que recebeu a denúncia de forma anônima, por meio de um envelope lacrado.

Ao tomar ciência dos fatos ele relatou que repassou toda a situação ao governador. Os detalhes do esquema, segundo Zaque, foram informados ponto a ponto por meio de uma apresentação de power point no computador.  

Depois de assistir à apresentação, Zaque disse que na oportunidade o governador afirmou que tomaria providências no sentido de desmantelar as escutas telefônicas ilegais feitas por agentes da alta cúpula da Polícia Militar.

No entanto, segundo o promotor, Taques não tomou as devidas providências.

Zaque salientou que também produziu um relatório sobre a denúncia, porém, segundo o promotor, o governador permaneceu omisso diante da situação, o que levou Zaque a deixar a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) no final de 2015.

O esquema dos grampos ilegais veio à tona em maio do ano passado, sendo denunciado por Zaque à Procuradoria Geral da República.

As frentes de investigações – comandas pelo Ministério Público, Justiça de Mato Grosso e Corregedoria da Polícia Militar – já identificaram que houve a interceptação ilegal de mais de 80 números telefônicos, por meio do esquema barriga de aluguel.

Algumas das pessoas grampeadas (advogados, jornalistas e políticos) são adversários políticos do governador Pedro Taques. Na relação, por exemplo, constava o nome da deputada estadual Janaina Riva (MDB) – umas das lideranças do grupo de oposição ao governador na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL-MT) e do jornalista José Marcondes Muvuca, que concorreu com Taques na disputa pelo governo em 2014.  

O esquema funcionou entre 2014 e 2015. São réus no processo: os coronéis Evandro Alexandre Lesco e Ronelson Barros; ex-comandante da Polícia Militar, coronel Zaqueu Barbosa; bem como os ex-chefes da Casa Militar o coronel Januário Batista e o cabo Gerson Barbosa.

Dos envolvidos, apenas Zaqueu e o cabo Barbosa permanecem presos. Eles estão detidos há quase um ano.

O que dizem sobre isso?

  1. Só mesmo neste (des) governo traques, para um cabinho mandar em coronel. Pra quem conhece bem Zaqueu, sabe que isso é uma tremenda mentira. Esse quarteto fantástico, bem que podia inventar uma mentira melhor!

  2. Tá e o cara vai continuar sendo governador?

  3. Mato Grosso sem lei. Ainda me lembro dos filmes de faroeste e lá no filme prevalecia a lei do mais forte. Por aqui e por agora, no Mato Grosso, não é diferente. Se fosse em um outro Estado democrático de direito e com aplicação da lei e justiça esse Governo do Taques já tinha acabado a muito tempo. Dilma sofreu impeachment e posta pra fora por muitos menos. Aqui tem pedala fiscal, tem estouro do limite da LDF, tem grampos, etc e não acontece nada com os infratores.

Comente, sua opinião é Importante!

Uninter - Banner JPG