EM DEFESA DA SOCIEDADE

Entenda a compra de vaga no TCE e a decisão da justiça em afastar Sérgio Ricardo

Decisão ainda é de primeira instância e deve ter outros desdobramentos

Política

Redação 4942 acessos 4

Entenda a compra de vaga no TCE e a decisão da justiça em afastar Sérgio Ricardo
MUVUCA POPULAR

Quanto custa uma vaga de Conselheiro do TCE/MT? Segundo o MPE, ao menos a vaga do ex-conselheiro Alencar Soares e assumida por Sérgio Ricardo, teria custado R$ 12 milhões. O valor realmente pago foi de R$ 4 milhões.

O caso da compra da cadeira do Tribunal, entre idas e vindas, sofreu outra reviravolta conforme decisão da Justiça (ação 59959-05.2014.811.0041). O conselheiro Sérgio Ricardo fica afastado do TCE/MT (ainda que recebendo salário) e todos os demais participantes do esquema tem os bens bloqueados até R$ 4 milhões. São eles Alencar Soares Filho, Blairo Borges Maggi, Eder de Moraes Dias, Gercio Marcelino Mendonça Júnior, Humberto Melo Bosaipo, José Geraldo Riva, Leandro Valoes Soares e Silval da Cunha Barbosa.

Entenda o caso

Alencar Soares assumiu a cadeira no TCE em 2006, e em 2008 já teria recebido um adiantamento de R$ 3 milhões, conforme denúncia anônima publicada pelo semanário Circuito Mato Grosso em 2012, pouco antes de Soares anunciar sua aposentadoria.

A denúncia anônima não foi tão “anônima” assim porque foi credita a Éder de Moraes, que também tinha interesse na vaga. Mas o grupo político da época havia escolhido Sérgio Ricardo. Por grupo leia-se Blairo Maggi e José Riva, e a operacionalização do esquema se deu com o uso de Gércio Mendonça, o “Júnior Mendonça”, que “emprestou” o dinheiro e depois teria sido compensado de alguma forma pelo “gerente da conta” Éder de Moraes.

O esquema foi estourado em 2013 com a “Operação Ararath”. A Polícia Federal apurou que a “conta do esquema” movimentou mais de R$ 30 milhões no período Blairo/Silval Barbosa. A compra da vaga de conselheiro foi fechada apenas em 2012 porque Blairo Maggi não havia avalizado a venda.

O então deputado Sérgio Ricardo teve que convencer Blairo, e o trabalho não foi fácil, pois Éder de Moraes também articulava a sua vaga no TCE. O esquema na época foi escandaloso. Mas no final a Assembleia Legislativa chamou a vaga à si e a “deu” para Sérgio Ricardo. A Justiça Federal entrou no caso anos depois, e Blairo Maggi acabou se safando após manifestação do procurador Rodrigo Janot e do ministro Dias Tóffoli. A decisão da Justiça Estadual ainda está em primeira instância.

Considerando o que declarou a juiza Selma Rosane, uma das mais influentes do Judiciário mato-grossense, que sugeriu avançar nos casos de corrupção de governos anteriores (para recuar das investigações sobre o governo atual e consequentemente blindá-lo), pode se esperar que muita água ainda vai rolar embaixo dessa ponte. 

Em tempo: Sérgio Ricardo foi um dos principais apoiadores de campanha de Pedro Taques, em suas duas eleições.

veja a ação civil apresentada pelo MPE https://www.mpmt.mp.br//storage/webdisco/2014/12/19/outros/ecbb63af2233e0dab1f95afb1efc6b78.pdf

O que dizem sobre isso?

  1. Um ponto esclarecedor tem que estar bem enfatizado. Junior Mendonça não entrou nos esquemas via Éder Moraes. Entrou entre outros via seu amigo pessoal Campos Neto desde a adolescência que é da corte e da família da sua atual esposa filha do falecido Ary Godoy de Campos, o goaino que mora em Cuiabá Wanderlei- dono de motéis de fachada na VG, os irmãos Genivaldo- assassinados restando apenas um na porta do Tucanos que também está em Goiânia, Giovani Zeni- genro do Arcanjo, Paulo Almeida, Geraldo Abrão- vulgo lalado, os bambambãs da era Tuiuiu Motors que incluia desde empresários como o famoso Damata a magistrados, seu conselheiro o desembargador Geraldo Palmeira e seus amigos e advogados genros- filhos da famosa costureira Sonia Gama, Rogério Silveira- Big Roger, Afrânio Borba, Eduardo Jacob, a lista é grande. Ele sempre foi malaca. Dinheiro em espécie, cheques de terceiros depositados em contas alheias, mas nesse caso houveram teds na conta de uma parenta do Sergio Ricardo, também. Banco Bic Banco, Amazônia, Bemat ele já o utilizava há séculos sem nenhuma intromissão do tal do Éder. Antes do Éder entrar na jogada existiam esses e no Bic Banco seu aliado era o Ricardo Novis Neves- parente do Mauro Carvalho, Thaigo Dorileo, Moacir Pires de Miranda, Os irmãos Garcia- Berinho e Catonho. Muito depois essa turma aí foi patrocinada pelo Junior Mendonça e sua fortuna inexplicável que a PF e outros órgãos deixam passar batido de forma que um Zé das Couves vale mais que muitas famílias tradicionais. Aliás, como anda o caso da PGE na época do André Poetro que até sua filha Shirley Mendonça colocou lá para facilitar sua entrada que foi apurada à época pelo Procurador Mauro Zaque apontando que o valor de notas lançadas daria milhões de volta ao mundo através da empresa de fachada Amazônia Petróleo? Engavetaram? Prescreveram, ou, engoliram? Operação Madona- não deu em nada com nada- todos juntos e misturados. E aí ?! Quem os togados vão continuar enganando?!

  2. ENQUANTO ISSO PEDRO TAQUES VIVE EM DUAS MANSÕES UMA NO FLORAIS CUIABÁ E OUTRA NO FLORAIS DOS LAGOS ... COMO O MPE JUSTIFICA ESSA MONSTRUOSA GRANA ???

  3. Por isso são muito bem remunerados

  4. Um ponto esclarecedor tem que estar bem enfatizado. Junior Mendonça não entrou nos esquemas via Éder Moraes. Entrou entre outros via seu amigo pessoal Campos Neto desde a adolescência que é da corte e da família da sua atual esposa filha do falecido Ary Godoy de Campos, o goaino que mora em Cuiabá Wanderlei- dono de motéis de fachada na VG, os irmãos Genivaldo- assassinados restando apenas um na porta do Tucanos que também está em Goiânia, Giovani Zeni- genro do Arcanjo, Paulo Almeida, Geraldo Abrão- vulgo lalado, os bambambãs da era Tuiuiu Motors que incluia desde empresários como o famoso Damata a magistrados, seu conselheiro o desembargador Geraldo Palmeira e seus amigos e advogados genros- filhos da famosa costureira Sonia Gama, Rogério Silveira- Big Roger, Afrânio Borba, Eduardo Jacob, a lista é grande. Ele sempre foi malaca. Dinheiro em espécie, cheques de terceiros depositados em contas alheias, mas nesse caso houveram teds na conta de uma parenta do Sergio Ricardo, também. Banco Bic Banco, Amazônia, Bemat ele já o utilizava há séculos sem nenhuma intromissão do tal do Éder. Antes do Éder entrar na jogada existiam esses e no Bic Banco seu aliado era o Ricardo Novis Neves- parente do Mauro Carvalho, Thaigo Dorileo, Moacir Pires de Miranda, Os irmãos Garcia- Berinho e Catonho. Muito depois essa turma aí foi patrocinada pelo Junior Mendonça e sua fortuna inexplicável que a PF e outros órgãos deixam passar batido de forma que um Zé das Couves vale mais que muitas famílias tradicionais. Aliás, como anda o caso da PGE na época do André Poetro que até sua filha Shirley Mendonça colocou lá para facilitar sua entrada que foi apurada à época pelo Procurador Mauro Zaque apontando que o valor de notas lançadas daria milhões de volta ao mundo através da empresa de fachada Amazônia Petróleo? Engavetaram? Prescreveram, ou, engoliram? Operação Madona- não deu em nada com nada- todos juntos e misturados. E aí ?! Quem os togados vão continuar enganando?!

Comente, sua opinião é Importante!

Uninter - Banner JPG