EM DEFESA DA SOCIEDADE

Prefeitura conciliação outubro

Com justificativa de estar ainda muito abalado, Gilmar Fabris pede licença da ALMT

O deputado estadual Gilmar Fabris (PSD) estaria com a saúde e psicológico abalado

Poderes

Redação 1109 acessos 3

Com justificativa de estar ainda muito abalado, Gilmar Fabris pede licença da ALMT
Claryssa Arruda

Abalado, o deputado estadual Gilmar Fabris (PSD), pediu licença de 30 dias para a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). Desde que foi solto, Fabris não apareceu em nenhuma sessão ordinária na Casa de Leis. Colegas deputados dizem que o parlamentar estaria muito abalado. A licença não permite a abertura de vaga ao suplente Meraldo Sá, mas garante a Fabris férias esticadas.

Na prisão, Fabris já teria reclamado para o presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (PSB), que estava ansioso e se sentindo abandonado. Logo que foi preso, o deputado reclamou de estar recebendo maus tratos na cadeia e que estaria recebendo tratamento mais rígido em relação aos demais detentos da unidade prisional, como ser impedido de deixar a cela, por exemplo. 

O deputado Gilmar Fabris (PSD) foi alvo da operação ‘Malebolge’ com busca e apreensão no seu apartamento, dia 14 de setembro. No entanto, antes que os policiais chegassem a seu apartamento, ele fugiu de pijama e chinelo com uma mala e acompanhado pela sua esposa. Ele foi preso no dia seguinte.

O ministro do STF, Luiz Fux, autorizou a prisão do deputado, após argumento da Procuradoria Geral da República (PGR) que dizia que o parlamentar soube da operação ‘Malebolge’ e saiu de casa às pressas. A operação investiga esquema de propina no governo de Mato Grosso, crimes financeiros e lavagem de dinheiro.

No dia 24 de outubro, deputados estaduais aprovaram a revogação da prisão do deputado estadual Gilmar Fabris (PSD), em sessão plenária com 19 votos a favor. O desembargador, Ney Bello, citou que não vê autonomia nos parlamentares para tomarem tal decisão e manteve a prisão de Fabris. No entanto, a Comissão de Ética da Casa respondeu que os deputados têm autonomia sim para a votação da revogação, pois estão respaldados no artigo 53 da Constituição Federal e no artigo 59 da Constituição Estadual.

Porém, com 6 dias de liberdade, uma ação pedindo a anulação da soltura do deputado foi protocolado no dia 30 de outubro. O advogado, Ulysses Lacerda Moraes, protocolou o processo representando o Movimento Brasil Livre (MBL) em Mato Grosso à Procuradora-geral da República, Raquel Dodge. 

O que dizem sobre isso?

  1. Licença e continua recebendo normalmente....e me vem O Sr. Taques questionar licença dos professores que por razões óbvias estão doentes... Quero que esse Fabris adoeça mesmo....pq até agora é só frescura

  2. Apoiado Lucas, é cadeia que ele merece.

  3. Essa praga, que em nada contribui com o Estado, deveria era mofar na cadeia, lugar de onde não deveria ter saído.

Comente, sua opinião é Importante!

Uninter - Banner JPG