EM DEFESA DA SOCIEDADE

TCE abril

Em represália à candidatura de Emanuelzinho, vereador ligado a ex-ministro investe contra Prefeito

Diego Guimarães que é ligado ao pré-candidato a deputado federal Neri Gueller tenta reabrir CPI do Paletó

Política

Redação 878 acessos 4

Em represália à candidatura de Emanuelzinho, vereador ligado a ex-ministro investe contra Prefeito

Três dias após ser convidado pelo governador Pedro Taques (PSDB), para assumir a Presidência do Instituto de Terras de Mato Grosso (INTERMAT), o vereador Diego Guimarães (PP), resolveu investir pesado contra o prefeito da capital, Emanuel Pinheiro (MDB). Diego também sofre forte influência do ex-ministro Neri Gueller.

Atualmente na Secretaria Nacional de Agricultua, Gueller, que tem pretenções de ser deputado federal, tenta minar a força do prefeito cuiabano por conta da candidatura de seu filho, Emanuelzinho, que também disputará uma vaga na Câmara. Com a candidatura do filho, a tendência é um aumento generalizado de pressão sobre a gestão de Pinheiro.

A tática do vereador, que serve interesses maiores e eleitoreiros, é destravar as investigações da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Paletó na Câmara Municipal de Cuiabá. Para isso, ele irá apresentar um requerimento administrativo à Mesa Diretora da Câmara nesta terça-feira (17). No documento, o progressista irá solicitar providências por parte do presidente da Câmara, vereador Justino Malheiros (PV). 

O parlamentar acredita que diante do posicionamento do judiciário quanto às investigações, os trabalhos da CPI só podem ser retomados com o julgamento do mérito, ou se o presidente da Casa de Leis nomear dois novos integrantes em substituição aos vereadores Mario Nadaf (PV) e Adevair Cabral (PSDB). 

“Vamos apresentar este requerimento para que, de imediato, ele (Justino) tenha o poder de rever essa resolução. Ela pode retirar os vereadores, consultar o colégio de líderes e indicar 2 novos membros dentro dos 9 vereadores que assinaram a CPI dentro do prazo”, explicou o parlamentar durante entrevista a uma rádio da capital.

Na semana passada, a desembargadora Helena Maria Ramos negou o agravo interposto pelo Parlamento Municipal que buscava reverter a decisão que suspendeu a nomeação dos vereadores Mário Nadaf (PV) e Adevair Cabral (PSDB) como relator e membro-titular da CPI do Paletó. 

Os vereadores foram suspensos no dia 16 de março, por decisão do juiz da 4ª Vara Especializada Pública de Cuiabá, Paulo Márcio Soares de Carvalho, que atendeu o mandado de segurança protocolado pelo pepista. Na ocasião, o magistrado entendeu que os membros assinaram o requerimento somente após o protocolo e portanto feriram a legislação ao compor a comissão. Isso porque até o momento do protocolo, apenas 9 vereadores tinham assinado o requerimento para instalação da CPI, que foi proposta pelo vereador Marcelo Bussiki, que vem a ser cunhado do deputado Wilson Santos, líder do governo Pedro Taques na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

Recorrente

As ações do vereador sob orientação do Secretário Nacional de Política Agrícola do Ministério da Agricultura Neri Geller são recorrentes. Recentemente eles foram acusados em mensagens no aplicativo do WhatsApp de serem supostos financiadores do então líder comunitário do Pedra 90, Mário Benevides, para difamar a gestão do prefeito Emanuel Pinheiro, nos eventos que envolvem as comunidades cuiabana (Veja a matéria sobre pagamento de liderança para atacar o prefeito). 

O que dizem sobre isso?

  1. Tem que abrir mesmo a CPI do Paletó. Quero ver se esse bando não vai parar atrás das grades...

  2. Gente o paletó não pode ficar sem dono e o Emanuelzinho é o seu legitimo herdeiro.

  3. MAIS HELDER: SERÁ QUE NÃO VAI ENVOLVER A PREFEITURA (ATRAVÉS DE DESVIOS E CONCHAVOS DIVERSOS), ENFIM, A MÁQUINA PÚBLICA NA TENTATIVA DE ELEGER O FILHO? TÁ CAÇANDO PELO EM CASCA DE OVO!

  4. Essa candidatura do paletozinho vai afundar a boa gestão de Emanuel Pinheiro, além de enterrar a carreira do próprio filho para sempre. Moleque novo, poderia estudar mais um pouco e não começar faturando em cima do cargo do pai e da própria administração pública. Não tem história, não tem nada, só os comissionados da prefeitura e os empresários que orbitam o papai. Vai ser um desastre. Emanuel vai se arrepender amargamente de estar fazendo reuniões em seu gabinete com vereadores e lideranças do interior para pedir apoio para seu filho. Sua gestão será cada vez mais desqualificada e pode comprometer até a reeleição. Está jogando Cuiabá e a chance que o povo deu fora em troca de um mandato para o filho. Tudo em nome do quê??? Será que vale a pena Sr. Emanuel? Reflita com sua família enquanto há tempo!

Comente, sua opinião é Importante!

Uninter - Banner JPG