Rodrigo Figueiredo, preso na Lava Jato, representou Mauro Mendes em Brasília | MUVUCA POPULAR

Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018

POLÍTICA Sexta-feira, 09 de Novembro de 2018, 09h:01 | - A | + A




Crime Organizado

Rodrigo Figueiredo, preso na Lava Jato, representou Mauro Mendes em Brasília

O advogado também é ex-secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Por: Daniela Castro, com info de Agências de Notícias

A Polícia Federal (PF), com o apoio da Receita Federal do Brasil, movimentou a manhã desta sexta-feira (09) em 6 estados: Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Paraíba e no Distrito Federal; ao deflagrar a Operação “Capitu”, para desarticular uma organização criminosa que atuava na Câmara dos Deputados e no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Dentre os presos está o advogado mato-grossense, Rodrigo Figueiredo, que atuou como chefe do Escritório de Representação de Cuiabá, em Brasília, durante gestão do ex-prefeito Mauro Mendes (DEM), eleito em 2018 governador. Segundo informações, quando da nomeação, o mote do trabalho de Rodrigo como chefe do Escritório de Representação era "integrar os Poderes, dando suporte aos projetos da Prefeitura de Cuiabá junto aos órgãos da administração federal".

Rodrigo Figueiredo é filho do ex-deputado estadual e federal, Milton Figueiredo, que foi um dos políticos mais expressivos do antigo PMDB, hoje MDB. Além dele, o ex-ministro do Mapa e deputado federal eleito, Neri Geller (PP), foi preso.

Leia mais: Braço direito de Blairo Maggi é preso

O advogado preso hoje também é ex-secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Nova Fase da Lava Jato

Estão sendo cumpridos 63 mandados judiciais de busca e apreensão e 19 mandados de prisão temporária, todos expedidos pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Foram mobilizados 310 Policiais Federais nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Paraíba e no Distrito Federal.

A Polícia Federal instaurou um inquérito policial em maio deste ano, baseado em declarações prestadas por Lúcio Bolonha Funaro, sobre supostos pagamentos de propina a servidores públicos e agentes políticos que atuavam direta ou indiretamente no MAPA em 2014 e 2015.

A Polícia Federal apurou a atuação de uma organização criminosa na Câmara dos Deputados e no MAPA, integrada por empresários e executivos de um grande grupo empresarial do ramo de processamento de proteína animal.

Esse grupo dependia de normatizações e licenciamentos do MAPA e teria passado a pagar propina a funcionários do alto escalão do Ministério em troca de atos de ofício, que proporcionariam ao grupo a eliminação da concorrência e de entraves à atividade econômica, possibilitando a constituição de um monopólio de mercado.

Os envolvidos deverão ser indiciados pelos crimes de constituição e participação em organização criminosa, obstrução de justiça, corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, dentre outros. Caso haja condenação, as penas máximas poderão variar entre 3 e 120 anos de reclusão, proporcionalmente à participação de cada investigado.

Lista de presos

Antonio Andrade, vice-governador de Minas e ex-ministro da Agricultura de março a dezembro de 2014

Joesley Batista, dono da JBS

Ricardo Saud, executivo da JBS

Demilton de Castro, executivo da JBS

João Magalhães, deputado estadual pelo MDB de MG

Neri Geller, deputado eleito pelo PP de MT

Rodrigo Figueiredo, ex-secretário de Defesa Agropecuária Mateus de Moura Lima Gomes, advogado

Mauro Luiz de Moura Araújo, advogado

Ildeu da Cunha Pereira, advogo

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

constantino - 09-11-2018 11:07:30

Rodrigo Figueiredo serviu Mauro Mendes e Blairo Maggi, anote

Responder

6
0


1 comentários