BRENO MOLINA | MUVUCA POPULAR

Terça-feira, 21 de Janeiro de 2020

ARTIGOS Sexta-feira, 06 de Dezembro de 2019, 08h:53 | - A | + A




Pecuarista, um sobrevivente da crise

BRENO MOLINA

O cenário está melhor sim e ao invés de comemorar, estamos pagando contas

bl.jpg

 

Mato Grosso possui cerca de 100 mil pecuaristas, mais de 80% deles possuem no máximo 290 cabeças. Então, quando falamos no setor da pecuária e do aumento na arroba bovina, estamos nos referindo em sua grande maioria a pequenos produtores que enfrentam há mais de cinco anos uma grave crise financeira com a estagnação no preço da arroba bovina.

Claro que nós, pecuaristas, não vamos comemorar o encarecimento da cesta básica ou a restrição no consumo desse alimento tão importante para a população brasileira, que é a carne. Por outro lado, quem hoje critica o reajuste nos preços tem ideia de que muitos produtores vêm diminuindo o próprio rebanho, arrendando ou vendendo parte das suas terras para sobreviver?

Apesar de os insumos voltados à produção na pecuária terem sido constantemente reajustados em mais de 100% nesse período, entre eles, óleo diesel, encargos trabalhistas, energia elétrica, ração, sal mineral, arame e medicamentos, com a atual valorização, o preço pago pela arroba de boi subiu somente 40%, ou seja, menos da metade.

Pesa sobre nós ainda, outro item importante: uma alta carga tributária. Se nos compararmos a estados vizinhos, como Pará ou Mato Grosso do Sul, pagamos até 12 vezes mais impostos e somos muito pouco competitivos em vários aspectos no mercado interno e externo. Ainda assim, sempre que o Estado passa por problemas de gestão, por investir mal os impostos arrecadados, ameaça de taxação o agronegócio induzindo a população ao erro de acreditar que somos “barões”.

No início do ano, inclusive, nos posicionamos contrários à manutenção do Fethab 2 e também criticamos os inúmeros impostos (Fethab 1, Fabov, Fesa, etc), que sobrecarregam o produtor, mas não são revertidos em melhorias na infraestrutura que é necessária para o escoamento da produção mato-grossense. Do que adianta termos o maior rebanho do país, com 30,2 milhões de animais, se não temos apoio para manter a atividade?

Realmente não tem lógica, principalmente se pensarmos que mesmo com uma margem negativa ou muito próxima disso, temos que modernizar a pecuária, investindo em novas tecnologias e genética. Porque a qualidade da carne que vai à mesa do cidadão passa pelo investimento que cada um de nós vem fazendo e que infelizmente ninguém sabe ou não quer ver, inclusive o próprio governo!

Em meio às críticas recentes, chegamos à conclusão de que o povo brasileiro desconhece como é a vida no campo e os percalços pelos quais passam os produtores rurais. Comprar os alimentos em prateleiras de supermercados gera a falsa impressão de que tudo é muito simples e fácil, porém, a nossa atividade exige muita paixão pelo que se faz. Caso contrário, já teríamos desistido.

O cenário está melhor sim e ao invés de comemorar, estamos aproveitando o momento para pagar contas e ter um fôlego para 2020. Não temos certeza sobre os preços, se vão ou não se estabilizar, mas neste primeiro ano do governo Bolsonaro nós obtivemos conquistas importantes, entre elas, a abertura de novos mercados de exportação com a venda dos nossos produtos para Oriente Médio e China.

É fundamental refletir ainda sobre a manutenção no câmbio do dólar. A política adotada pelo ministro Paulo Guedes contribuiu para a valorização do nosso produto por parte das indústrias, e esse é um fator decisivo para a regulação do mercado. Entenda que não é o pecuarista que determina o preço da arroba bovina, mas a indústria frigorífica que diz o quanto pode pagar.

Como boa parte da nossa produção da carne é exportada, os preços praticados nas últimas semanas vêm beneficiando toda a cadeia produtiva, inclusive o produtor. Ainda assim, o incremento médio para nós foi de apenas até 40%, o que não conseguiu equiparar ainda as perdas sofridas nos últimos cinco anos. Pelo contrário, estamos nos recuperando de uma longa e acentuada crise.

BRENO MOLINA é presidente da Associação dos Criadores Nelore de Mato Grosso (ACNMT), pecuarista em Poconé e empresário em Cuiabá.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
polêmica
De olho nas eleições municipais
Quem dá mais?
Taxa Mendes
Denúncia de Selma

Últimas Notícias
20.01.2020 - 21:33
20.01.2020 - 21:24
20.01.2020 - 20:00
20.01.2020 - 19:00
20.01.2020 - 17:32




Informe Publicitário