BRENO MOLINA | MUVUCA POPULAR

Domingo, 20 de Setembro de 2020

ARTIGOS Sexta-feira, 06 de Dezembro de 2019, 08h:53 | - A | + A




Pecuarista, um sobrevivente da crise

BRENO MOLINA

O cenário está melhor sim e ao invés de comemorar, estamos pagando contas

bl.jpg

 

Mato Grosso possui cerca de 100 mil pecuaristas, mais de 80% deles possuem no máximo 290 cabeças. Então, quando falamos no setor da pecuária e do aumento na arroba bovina, estamos nos referindo em sua grande maioria a pequenos produtores que enfrentam há mais de cinco anos uma grave crise financeira com a estagnação no preço da arroba bovina.

Claro que nós, pecuaristas, não vamos comemorar o encarecimento da cesta básica ou a restrição no consumo desse alimento tão importante para a população brasileira, que é a carne. Por outro lado, quem hoje critica o reajuste nos preços tem ideia de que muitos produtores vêm diminuindo o próprio rebanho, arrendando ou vendendo parte das suas terras para sobreviver?

Apesar de os insumos voltados à produção na pecuária terem sido constantemente reajustados em mais de 100% nesse período, entre eles, óleo diesel, encargos trabalhistas, energia elétrica, ração, sal mineral, arame e medicamentos, com a atual valorização, o preço pago pela arroba de boi subiu somente 40%, ou seja, menos da metade.

Pesa sobre nós ainda, outro item importante: uma alta carga tributária. Se nos compararmos a estados vizinhos, como Pará ou Mato Grosso do Sul, pagamos até 12 vezes mais impostos e somos muito pouco competitivos em vários aspectos no mercado interno e externo. Ainda assim, sempre que o Estado passa por problemas de gestão, por investir mal os impostos arrecadados, ameaça de taxação o agronegócio induzindo a população ao erro de acreditar que somos “barões”.

No início do ano, inclusive, nos posicionamos contrários à manutenção do Fethab 2 e também criticamos os inúmeros impostos (Fethab 1, Fabov, Fesa, etc), que sobrecarregam o produtor, mas não são revertidos em melhorias na infraestrutura que é necessária para o escoamento da produção mato-grossense. Do que adianta termos o maior rebanho do país, com 30,2 milhões de animais, se não temos apoio para manter a atividade?

Realmente não tem lógica, principalmente se pensarmos que mesmo com uma margem negativa ou muito próxima disso, temos que modernizar a pecuária, investindo em novas tecnologias e genética. Porque a qualidade da carne que vai à mesa do cidadão passa pelo investimento que cada um de nós vem fazendo e que infelizmente ninguém sabe ou não quer ver, inclusive o próprio governo!

Em meio às críticas recentes, chegamos à conclusão de que o povo brasileiro desconhece como é a vida no campo e os percalços pelos quais passam os produtores rurais. Comprar os alimentos em prateleiras de supermercados gera a falsa impressão de que tudo é muito simples e fácil, porém, a nossa atividade exige muita paixão pelo que se faz. Caso contrário, já teríamos desistido.

O cenário está melhor sim e ao invés de comemorar, estamos aproveitando o momento para pagar contas e ter um fôlego para 2020. Não temos certeza sobre os preços, se vão ou não se estabilizar, mas neste primeiro ano do governo Bolsonaro nós obtivemos conquistas importantes, entre elas, a abertura de novos mercados de exportação com a venda dos nossos produtos para Oriente Médio e China.

É fundamental refletir ainda sobre a manutenção no câmbio do dólar. A política adotada pelo ministro Paulo Guedes contribuiu para a valorização do nosso produto por parte das indústrias, e esse é um fator decisivo para a regulação do mercado. Entenda que não é o pecuarista que determina o preço da arroba bovina, mas a indústria frigorífica que diz o quanto pode pagar.

Como boa parte da nossa produção da carne é exportada, os preços praticados nas últimas semanas vêm beneficiando toda a cadeia produtiva, inclusive o produtor. Ainda assim, o incremento médio para nós foi de apenas até 40%, o que não conseguiu equiparar ainda as perdas sofridas nos últimos cinco anos. Pelo contrário, estamos nos recuperando de uma longa e acentuada crise.

BRENO MOLINA é presidente da Associação dos Criadores Nelore de Mato Grosso (ACNMT), pecuarista em Poconé e empresário em Cuiabá.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Ansiosos pelas eleições municipais
Mais esperada que o fim da quarentena
Parlamentares buscam estratégias
Deputado quer apoiar coronel Fernanda
Expulsou profissionais da TV Centro América

Últimas Notícias
20.09.2020 - 19:00
20.09.2020 - 18:54
20.09.2020 - 14:25
20.09.2020 - 12:15
20.09.2020 - 12:13


Muvuca (PL)

Adevair Cabral (PTB)

Chico 2000 (PL)

Misael Galvão (PTB)

Ricardo Lobo (PL)

Aladir (PL)

Sargento Joelson (SD)

Juca do Guaraná (MDB)

Luluca Ribeiro (MDB)

Macrean

Ralf Leite (MDB)

Renivaldo Nascimento

Toninho de Souza

Edna Sampaio (PT)

Robson Cireia (PT)

Ricardo Saad

Oseas Machado (MDB)

Rogério Varanda

Alex Ribeiro (PP)

Maurélio (PSDB)

Dudu Santos

Marcelo Bussiki

Vinícyus Clovito

Diego Guimarães

Mário Nadaf

Marcos Veloso

Gisele Almeida

Orival do Farmácia

Wilson Kero-Kero

Dr. Xavier

Justino Malheiros

Zidiel Coutinho

Sargento Vidal

Dídimo Vovô

Clebinho Borges

Júlio da Power

Jamilson Moura

Emídio de Souza (PSL)

Adalberto Cavalcanti

Ricardinho

Kako do CPA

Dilemário Alencar

Max Campos (PSB)

Cezinha Nascimento

Edienes Hadassa

Dr Luiz Fernando

PF Rafael Ranalli

Gabriel Henrique

Itamar Jefferson (PL)

Cristiano Paraqueda

Sebastião Moraes

Daniel

Justino Campos

Rafael "Faré"

Darley Gonçalves

Osmar Rodrigues "Chefinho"

Elenir Pereira

Prof.instrutor Joaquim Neto

Diogo Fernandes

Ade Silva

Sargento Ozeni

Dito Paulo

Paulo Macedo

Luiz BA

Professor Frankes

Paulo da VGDI

Valdemir MM

Weto Salgado

Dr. Daúde

Bob Medina

Wagner Vinícius

Luis Carlos

Carlos Henrique do Correio

Adv Cris

Elenir Pereira

Zé Carlos

Luis Cláudio

Huelton Souza

Rosenil Luiz (Canelinha de pacu) (PL)

Sargento Ozeni

Luiz Poção (PL)

Edilson Odilon (PL)

Paulinho CPA

Germânio Araújo

Chico do Leblon

Delegado Garcia

Renato Anselmo

Cleber Adôrno

Doidinhoducorte

Neno do Pascoal Ramos

Prof. Jorginho



Informe Publicitário