Dante de Oliveira – O reformador | MUVUCA POPULAR

Domingo, 29 de Março de 2020

ARTIGOS Quinta-feira, 06 de Fevereiro de 2020, 15h:49 | - A | + A




Wilson Santos

Dante de Oliveira – O reformador

De revolucionário político, no clandestino MR 8 (Movimento Oito de Outubro) na década de 1970 no Rio de Janeiro, a história reservou ao engenheiro civil, cuiabano, Dante Martins de Oliveira, o posto de Reformador do estado mato-grossense, atacando uma estrutura estatal secular, montada desde a implantação da Capitania, em 1748 e consolidada nas décadas de 1950 a 1970, quando a visão dos que governavam era de que o estado podia e devia fazer tudo, um estado onipresente.

Ao chegar ao governo em janeiro de 1995, Dante de Oliveira já era um executivo experiente, havia administrado a capital por 39 meses, em duas oportunidades e chefiado o Ministério da Reforma Agrária por um ano, em ambas as instituições foi bem avaliado.

Posse tomada, secretariado nomeado, era hora de começar a trabalhar. Em poucos meses Dante tomou conhecimento da realidade de um ‘elefante desossado’, que sequer conseguia pagar salários em dia aos seus servidores, sem nenhuma capacidade de investimento próprio e com uma dívida com fornecedores e com a União impagável.

Estava o novo governador diante de um dilema: repete o modelo de gestão tradicional ou rompe com esse estilo e provoca uma reforma profunda, que de imediato só lhe traria enorme desgaste, em especial, com os milhares de servidores que seriam exonerados?

Dante de Oliveira escolhe o caminho mais longo, mais difícil e mais desgastante. Decide executar uma profunda reforma no aparelho estatal de Mato Grosso. Liquida o Banco do Estado (Bemat); privatiza a Cemat; extingue a Codemat; extingue a Sanemat, fecha a Aeromat; a Casemat, e a Fundação Cândido Rondon.Forammais de 20 mildemissões, algo em torno de 1/3 dos servidores.

O ambiente na capital, principal reduto do serviço público estadual, ficou muito pesado contra o governador, mas Dante tinha consciência de que havia agido como estadista e que os resultados de um novo estado seriam colhidos em uma década pela sociedade mato-grossense.

Hoje, 2020, Mato Grosso colhe os frutos de uma decisão histórica e corajosa (tem o maior PIB estadual do agronegócio brasileiro, superando o gigantesco estado de São Paulo nos últimos 2 anos, tornou-se exportador de energia e é o líder de crescimento nacional) toda revestida de um profundo convencimento de que se estava fazendo o certo, aplicando um remédio muito amargo, mas necessário para salvar um estado em decomposição.

Enquanto diminuía o tamanho do governo, o governador implantava novas e impactantes ideias, como o programa ‘E hora de investir’, o Proalmat (programa de incentivo à cultura do algodão), trazia um gasoduto da Bolívia (gás até hoje não distribuído na Capital) e a tão esperada ferrovia chegava com seus trilhos em Alto Taquari e Alto Araguaia, além da solução definitiva para a questão energética.

Mato Grosso deve muito, muito mesmo, a Dante Martins de Oliveira, um líder que soube conduzir seu estado e seu povo, com visão macro, sabendo enfrentar os desafios para a modernidade criando as bases para um novo Estado, atraente, competitivo e mais justo com sua gente.

Atravessar o ‘rubicão’ e na outra margem criar as bases para um Novo-Estado, competitivo e mais justo com sua gente, um verdadeiro ‘tigre asiático’ em terras pantaneiras. Valeu ‘Bicho’, valeu Dante!

Wilson Santos é professor e deputado estadual pelo PSDB.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Paulo Barth - 10-02-2020 16:41:34

Dante morreu um mês após a estranha data 06 06 06... 666 ... será que vendeu a alma nos gabinetes satanistas do congresso para aprovar a Diretas?

Responder

0
0


1 comentários

coluna popular
Empresários pedem o fim da medida de isolamento
Medida Provisória
“Todas as decisões terão lado positivo e negativo”
Não chegou a ser cassado
Gentil Bussiki se dedicou por 40 anos ao órgão

Últimas Notícias
28.03.2020 - 19:17
28.03.2020 - 15:45
28.03.2020 - 13:52
28.03.2020 - 11:47
28.03.2020 - 10:59


Carlos Fávaro (PSD)

Coronel Rúbia (Patriota)

Elizeu Nascimento (DC)

Gisela Simona (Pros)

José Medeiros (Podemos)

Júlio Campos (DEM)

Nilson Leitão (PSDB)

Otaviano Piveta (PDT)

Procurador Mauro (PSOL)

Reinaldo Morais (PSC)

Valdir Barranco (PT)

(Nenhum deles)

Feliciano Azuaga



Informe Publicitário