EDÉSIO ADORNO | MUVUCA POPULAR

Segunda-feira, 16 de Dezembro de 2019

ARTIGOS Sexta-feira, 12 de Julho de 2019, 11h:06 | - A | + A




Críticos de Moro e o dinheiro recuperado pela Lava

EDÉSIO ADORNO

Edésio Adorno.jpg

 

Veja, Folha de S Paulo, Reinaldo Azevedo, UOL Notícias e TV Globo e site sensacionalista The Intercept Brasil formam um exército de mercenários. Os valentes da mídia estão dispostos a produzir uma nova versão da guerra da Reconquista, que retomou a Península Ibérica depois de oito séculos sob o domínio dos Mouros.

Como em toda guerra, primeiro elimina-se a verdade. O passo seguinte é apelar para a vilania e tornar infame o alvo que se pretende atingir. Sequestrar a honra, a reputação e imprestabilizar os esforços de Sérgio Moro no combate a corrupção faz parte do jogo rastaquera. Os possíveis erros do juiz seriam o suficiente para nulificar toda sua obra.

“Oxalá houvesse um exército de Moros no Brasil, assim o País estaria livre da peste da corrupção por alguns séculos”

O conluio da chamada grande imprensa com o The Intercept tem um proposito claro: atingir Moro para desestabilizar o governo do presidente Jair Bolsonaro. A jararaca fora do serpentário poderia inocular sua toxina nas redes sociais, arrebanhar uma legião de seguidores e arrastar o País a uma convulsão social. Na esteira desse movimento sedicioso, o governo do capitão seria sequestrado pelo centrão, com o apoio de corporações sindicais e da imprensa comunista.

Anular condenações da Lava Jato pressupõe liberar Lula e seus comparsas da cadeia, significa devolver a corrupção aos corruptos, conforme leciona Joaquim Falcão, que é desembargador aposentado e professor de Direito Constitucional. Se existe ‘vicio’ insanável nas operações policiais que redundaram na apreensão de milhões em malas e em apartamentos, então a montanha de dinheiro recuperada pelos investigadores da Lava Jato deve ser restituída aos ladrões da Pátria com um pedido de desculpas.

Falcão sustenta que a legislação processual e o formalismo interpretativo alimentam a irresponsabilização judicial. “O excesso do devido processo legal é uma doença. Inchaço. Patologia. É o processualismo”, diz o mestre e concluir: “este processualismo não defende a sociedade. São rituais de impunidades e desigualdades judiciais”.

Não pense que defendo relativização do devido processo legal e das garantias constitucionais. Nada disso. A questão é outra. O Brasil mudou e o soberano da República, Sua Excelência o Povo, exige justiça célere, eficaz e o combate sem trégua a corrupção, que é a fonte de todas as mazelas e iniquidades sociais.

Oxalá houvesse um exército de Moros no Brasil, assim o País estaria livre da peste da corrupção por alguns séculos. Infelizmente, a Lava Jato está sendo torpedeada em nome de regras processuais que sempre privilegiaram os delinquentes de colarinho branco. A imprensa virou a casaca, mudou o enfoque do noticiário, se armou com os vazamentos do The Intercept, deixou de lado os valores republicanos e levou para as redações a pauta da esquerda.

“Anular a condenação de Lula abre brecha para anular outras condenações. Lula livre seria apenas a ponta do iceberg jurídico”

O consórcio formado pela ‘grande’ imprensa tenta a todo custo encabrestar o STF para obrigar os ministros daquela Corte de Justiça a encurralar os magistrados e membros do MPF que atuam na Lava Jato. A coisa é sórdida, mesmo!

Anular a condenação de Lula abre brecha para anular outras condenações. Lula livre seria apenas a ponta do iceberg jurídico. Eduardo Cunha também seria colocado no olho da rua. O dinheiro encontrado no apartamento de Geddel Vieira Lima teria que ser devolvido ao rato do MDB.

A mala recheada de dinheiro apreendida pela Polícia Federal com Rocha Loures deveria ser restituía ao assessor de Michel Temer, o marido de Gleisi Hoffmann deveria ser inocentado por antecipação. Zé Dirceu e uma infinidade de outros gângsteres da era petista deveriam ser premiados com uma certidão de nada consta em seus prontuários policiais.

O ministro Sérgio Moro, ao longo de sua cruzada contra o crime organizado e a corrupção pode ter cometido falhas, equívocos e impropriedades. A obra dele, no entanto, é maior que tudo isso.

A Lava Jato fez pelo Brasil, a esquerda e a imprensa mercenária, quando hostilizam o exemplar e excepcional patriota Sérgio Moro prestam um desserviço à Nação.

Enquanto os ladrões da administração pública aplaudem o The Intercept e seus parceiros, os brasileiros de boa índole se solidarizam com Moro, defendem o governo Bolsonaro e o pacote anticrime. Ah, Lula continua preso, babaca!

Edésio Adorno é advogado em MT e escreve exclusivamente nesta coluna toda sexta-feira.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Carlos Nunes - 12-07-2019 13:23:57

A Imprensa deve ser livre...no Brasil tem Liberdade de Expressão, de Opinião, de botar a boca no trombone, de chiar pra burro, de reclamar a beça...isso nem deve ser discutido. O que deve ser discutido é o tal do gringo americano ter contratado Hacker russo espião pra raquear as autoridades. Hacker russo espião é mercenário, se receber alguns Milhões de dólares, raqueia até a mãe (dos outros é claro). Agora, pelo Whatssap, tão divulgando uma conversa mantida entre o tio Lula e o tio Glenn, onde tio Lula sugere que investigue o MORO, o DALLAGNOL, o TRF4, um delegado (cujo nome não é mencionado na conversa) que fez um Inquérito (provavelmente da PF). E tio Glenn responde pro tio Lula: as providências já foram tomadas. Quer dizer que eles raquearam um Juiz Federal, um Procurador da República, um delegado da PF, e os desembargadores do TRF4. Quem mais eles raquearam?...até agora chegaram até desembargadores. Isso não é mais Imprensa Livre...isso é espionagem pura, feita por um Hacker russo espião e um gringo americano. Resta perguntar: O que aconteceria se...um jornalista brasileiro fosse lá nos Estados Unidos, contratasse um Hacker estrangeiro, e começasse a raquear conversas de Juízes Federais americanos, Procuradores dos Estados Unidos, delegados da PF de lá? E a gente aqui preocupado com a nossa Grampolândia Pantaneira, onde disque um simples Cabo, grampeou muita gente. SOLTA O CABO! Se pro The Intercept Brasil, hacker russo espião é um herói...o simples Cabo deve ser herói também. Se na cabeça de bagre do Intercept é Viva o Hacker e Abaixo o Moro...então .Viva o Cabo, abaixo todos os que ele grampeou, uai. Ou Viva o Moro e Abaixo o Hacker...e Viva todos que foram grampeados e Abaixo o Cabo? Tem gosto pra tudo...Pra mim grampear e raquear É CRIME, ou não é? Sei lá. No pais das inversões de valores, chamado Brasil...não é mais o gato que come o peixe do aquário...é o peixe que come o gato.

Responder

1
0


1 comentários

coluna popular
6° edição “Línguas Pretas”
Desvio na Gaeco
Blairo Maggi e Silval Barbosa
121 instituições foram contempladas
Parte será destinado à creche Irmã Hylda

Últimas Notícias
15.12.2019 - 19:14
15.12.2019 - 18:57
15.12.2019 - 17:54
15.12.2019 - 16:13
15.12.2019 - 14:50




Informe Publicitário