Francisney Liberato | MUVUCA POPULAR

Sexta-feira, 20 de Setembro de 2019

ARTIGOS Segunda-feira, 09 de Setembro de 2019, 12h:36 | - A | + A




A luta contra o meu "eu"

Francisney Liberato

Francisney Liberato.jpg

 

Conheço muitas pessoas que tiveram dificuldades na vida, por diversos fatores, sejam problemas familiares, financeiros, relacionamentos precários, dentre outros. Contudo, essas pessoas batalharam, estudaram e se desenvolveram, e hoje, são indivíduos bem-sucedidos.

Creio que você já deva ter presenciado algumas histórias semelhantes, ou talvez você seja uma pessoa que possui a mesma história. A vida do brasileiro de fato não é fácil, pois existem muitas dificuldades, e para onde olhamos, há pessoas falando sobre crises.

Alguns quando chegam ao topo do sucesso esquecem de suas bases, ou melhor, fazem de conta que ela não existe e simplesmente as desconsideram. Essas mesmas pessoas que um dia foram humildes, hoje encontram-se “em cima de um pedestal”, imersas no orgulho, na soberba, na validade e se deliciando com o seu ego.

O grande sábio Salomão afirma em Eclesiastes 1: “Vaidade de vaidades, diz o pregador, Tudo é vaidade. Que proveito tem o homem, de todo o seu trabalho, que faz debaixo do sol? Uma geração vai, e outra geração vem; mas a terra para sempre permanece”. O Sábio foi contundente ao atestar que tudo é vaidade. A vaidade é como correr atrás do vento, ou seja, impossível de se alcançar, é perder tempo.

"Quebre a vaidade e o orgulho da sua vida. Rompa esse ciclo vicioso. Abandone o seu “eu”"

Para aqueles que ainda têm consciência sobre si, pode ser que seja uma luta constante, ou quem sabe até diária, contra o seu “eu”. O apóstolo Paulo dizia que o que ele não queria fazer, fazia; e o que era para fazer, ele não tinha forças para fazer. É uma grande luta dentro de cada ser humano. Se não lutarmos seremos controlados por esse sentimento negativo e outros vícios poderão entrar em nossas vidas, Santo Agostinho nos lembra disso: “O orgulho é a fonte de todas as fraquezas, por que é a fonte de todos os vícios”.

Olhe a sua volta, perceba quantas pessoas são vaidosas, orgulhosas e cheias de ego. Observe alguns governantes, agentes públicos, empresários, artistas, músicos, profissionais liberais, dentre outros. Não apenas esses, conhecemos também pessoas orgulhosas de todos os tipos, não importando a classe social, o grau de escolaridade, as experiências vividas, os gêneros, a etnia, se rico ou pobre. Estamos em um mundo com muitos de indivíduos soberbos, ou como diz o ditado popular, fulano está com o “rei na barriga”.

Nos orgulhamos de nossas conquistas, do carro importado, da namorada linda, dos filhos abençoados, dos relacionamentos sociais, do poder, da influência, da palestra ministrada e de tudo aquilo que depositamos nossas forças e energias, isto é, onde verdadeiramente está o nosso coração.

Precisamos realmente disso? Creio que não. Somos iguais. Todos possuem o seu valor. É necessário voltar a base, é necessário abandonar o “eu”, a música de Paulo Baruk, “Perdão”, é sugestiva ao dizer: “Deus, livra-me de mim”. Vamos lembrar dos momentos difíceis, das lutas, da família, das amizades e de tudo que Deus proporcionou e melhorou para as nossas vidas.

A canção “Nas mãos do oleiro” retrata bem a situação de quem somos, se compararmos com a imensidão do universo: “Em Tuas mãos eu sou pó; nenhum valor, barro sou; quem sou eu pra questionar?”. Quer voltar ao princípio? A música ainda apresenta uma solução para quebrar o nosso ego e orgulho: “Nas mãos do oleiro me entrego inteiro; Pra ser quebrado e refeito; Nas mãos do oleiro sou restaurado; Pra ser um novo vaso”. O oleiro da música é Deus, o nosso criador. Que morra o velho homem e nasça uma nova criatura!

Quebre a vaidade e o orgulho da sua vida. Rompa esse ciclo vicioso. Abandone o seu “eu”. Todos somos seres humanos iguais, não podemos fazer acepções de pessoas, pois cada um tem o seu valor e é único neste mundo. É fundamental lutarmos diariamente contra o nosso “eu” e vivermos uma vida de serviço para pessoas ao nosso redor.

FRANCISNEY LIBERATO é secretário de Controle Externo e auditor público Externo do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários