Pela aprovação do novo Fundeb sem os ataques propostos por Bolsonaro  | MUVUCA POPULAR

Quinta-feira, 01 de Outubro de 2020

ARTIGOS Terça-feira, 21 de Julho de 2020, 18h:41 | - A | + A




Pela aprovação do novo Fundeb sem os ataques propo

Pela aprovação do novo Fundeb sem os ataques propostos por Bolsonaro

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 15/2015 que estabelece o novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) será votado nesta terça-feira (21), na Câmara. O texto da deputada Dorinha Seabra Rezende (DEM-TO), relatora da PEC, foi construído há várias mãos. É fruto das mais de 210 audiências públicas presenciais, que reuniu seguimentos ligados a educação em todos os Estados, antes da pandemia. Outras dezenas de audiências virtuais foram realizadas nesse período de isolamento social.

O novo Fundeb está sendo debatido na Casa de Leis desde 2015. A proposta tramitou nesse período na Comissão Especial destinada a discutir e proferir parecer sobre o tema. Sou vice-presidenta da Comissão, e ao longo dos dois últimos anos trabalhamos intensamente no apoio à relatora, para construção desse texto de consenso entre toda a educação nacional.

O governo Temer (2016–2018) não debateu o novo Fundeb, não se interessou em articular o novo Fundo, e o atual governo, também se absteve de discutir o futuro da educação básica no Brasil. O relatório da deputada Dorinha foi construído com participação dos secretários de Estado de Educação (Consed) e dos secretários municipais de Educação (Undime), mas sem a participação do Ministério da Educação (MEC), que tanto no governo do ex-presidente, quanto no atual se recusou a dialogar sobre o Fundo.

Em 2019, o Fundeb redistribuiu entre os 26 Estados, o Distrito Federal e os 5.500 municípios do País, cerca de R$ 166 bilhões, que financiaram o pagamento da folha de salários dos professores e professoras e investimentos na manutenção das Escolas. A previsão de repasses do Fundo para 2020 era de R$ 173 bilhões.

Noventa por cento dos recursos do Fundeb são oriundos da arrecadação de impostos estaduais e municipais e 10% é complementação feita pela União. Ocorre, que o atual Fundeb aprovado em 2007 tem vigência até 31 de dezembro de 2020. Caso o novo Fundo não seja aprovado no Congresso, as Escolas básicas do País não poderão contar com esses recursos em 2021 e os entes da federação perderão sua principal fonte para pagamento salarial dos educadores.

Mudanças no texto

O risco de o Fundeb não ser votado está praticamente descartado, pois a votação foi marcada pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Porém, os recursos do Fundo estão correndo sérios riscos. O governo Bolsonaro que se recusou a debater o Fundeb ao logo de 1 ano e meio, apresentou, semana passada, na véspera da votação, mudanças ao relatório da deputada Dorinha que ferem de morte o Fundeb. Se essas mudanças forem aprovadas prejudicarão 45 milhões de estudantes e mais de 2 milhões de professores.

O relatório discutido com educadores de todo País estabelece que a verba aplicada no pagamento de professores não pode ser inferior a 70% do Fundo. Ou seja, estados e municípios devem investir 70% ou mais no pagamento da folha. Essa vinculação a ser inscrita na Constituição Federal, visa garantir a continuidade do pagamento do Piso Nacional dos professores, hoje na casa de R$ 2.800,00.

Bolsonaro, no entanto, quer mudar o texto e estabelecer que o pagamento de salários não pode ultrapassar 70% do Fundeb. Se essa mudança ocorrer, no ano que vêm centenas de municípios não conseguirão pagar professores, porque hoje já investem 100% do Fundo na quitação dos salários.

A relatora também colocou em seu parecer que os atuais 10% de aportes da União no Fundeb devem crescer em seis anos, até atingir 20%, em 2024. O presidente da República concorda com esse aumento de 10% da participação do governo federal, mas quer pegar 5% desse aumento e transferir para assistência social. Essa manobra é inconstitucional, pois os recursos da educação não podem ser desviados para outras áreas, como a assistência social, que está enquadrada na emenda 95 do teto de gastos.

A terceira mudança proposta pelo governo na véspera da votação, refere-se à destinação de recursos do Fundeb para pagamento de aposentadorias. Essa ação, se aprovada, retirará recursos da educação para cobrir fundos de previdência de estados e municípios, aos quais os aposentados já contribuíram ao longo de toda a vida.

Por sua vez, Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes, defendem que o novo Fundeb passe a vigorar somente em 2022, deixando a Educação básica pública do Brasil, sem financiamento ao longo de 2021.

Esse ataque à principal fonte de financiamento do ensino infantil, fundamental e médio, completa o ciclo de desmonte do atual governo à Educação Nacional. Em 2019, Bolsonaro cortou 30% dos orçamentos das Universidades Federais. Agora, em 2020, ele quer cortar os recursos das Escolas básicas.

Como professora aposentada estou trabalhando muito para impedir que esses retrocessos atinjam o texto da deputada Dorinha. Peço o apoio de todas e todos mato-grossenses, para que pressionem os deputados e deputadas a aprovarem o relatório do Fundeb, sem as perversas mudanças apresentadas por Bolsonaro.

Professora Rosa Neide

Deputada Federal (PT-MT)

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Saúde em 1º lugar
Corona nas eleições
Distribuição de absorventes 
Lucas do Rio Verde
Atingidos pelo fogo

Últimas Notícias
01.10.2020 - 16:12
01.10.2020 - 15:05
01.10.2020 - 14:15
01.10.2020 - 14:07
01.10.2020 - 14:03


Muvuca (PL)

Adevair Cabral (PTB)

Chico 2000 (PL)

Misael Galvão (PTB)

Ricardo Lobo (PL)

Aladir (PL)

Sargento Joelson (SD)

Juca do Guaraná (MDB)

Luluca Ribeiro (MDB)

Macrean

Ralf Leite (MDB)

Renivaldo Nascimento

Toninho de Souza

Edna Sampaio (PT)

Robson Cireia (PT)

Ricardo Saad

Oseas Machado (MDB)

Rogério Varanda

Alex Ribeiro (PP)

Maurélio (PSDB)

Dudu Santos

Marcelo Bussiki

Vinícyus Clovito

Diego Guimarães

Mário Nadaf

Marcos Veloso

Gisele Almeida

Orival do Farmácia

Wilson Kero-Kero

Dr. Xavier

Justino Malheiros

Zidiel Coutinho

Sargento Vidal

Dídimo Vovô

Clebinho Borges

Júlio da Power

Jamilson Moura

Emídio de Souza (PSL)

Adalberto Cavalcanti

Ricardinho

Kako do CPA

Dilemário Alencar

Max Campos (PSB)

Cezinha Nascimento

Edienes Hadassa

Dr Luiz Fernando

PF Rafael Ranalli

Gabriel Henrique

Itamar Jefferson (PL)

Cristiano Paraqueda

Sebastião Moraes

Daniel

Justino Campos

Rafael "Faré"

Darley Gonçalves

Osmar Rodrigues "Chefinho"

Elenir Pereira

Prof.instrutor Joaquim Neto

Diogo Fernandes

Ade Silva

Sargento Ozeni

Dito Paulo

Paulo Macedo

Luiz BA

Professor Frankes

Paulo da VGDI

Valdemir MM

Weto Salgado

Dr. Daúde

Bob Medina

Wagner Vinícius

Luis Carlos

Carlos Henrique do Correio

Adv Cris

Elenir Pereira

Zé Carlos

Luis Cláudio

Huelton Souza

Rosenil Luiz (Canelinha de pacu) (PL)

Sargento Ozeni

Luiz Poção (PL)

Edilson Odilon (PL)

Paulinho CPA

Germânio Araújo

Chico do Leblon

Delegado Garcia

Renato Anselmo

Cleber Adôrno

Doidinhoducorte

Neno do Pascoal Ramos

Prof. Jorginho



Informe Publicitário