VICENTE VUOLO  | MUVUCA POPULAR

Domingo, 22 de Setembro de 2019

ARTIGOS Sexta-feira, 06 de Setembro de 2019, 12h:20 | - A | + A




VLT: audiência histórica

VICENTE VUOLO

VICENTE VUOLO.jpg

 

O Movimento Pró VLT congrega prefeitos e vereadores de Várzea Grande e Cuiabá, deputados estaduais e federais, senadores, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Instituto de Engenharia do Estado de Mato Grosso (IEMT), Conselho Regional de Engenharia e Agricultura (CREA), Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Federação do Comércio (FECOMÉRCIO), Rotary Club de Cuiabá, Associação Brasileira da Industria Ferroviária (ABIFER), Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTRILHOS), rádios, blogs, televisões, jornais, professores, profissionais liberais, integrantes da Igreja Evangélica, o Arcebispo de Cuiabá D. Milton. E a cada dia cresce mais pois é um movimento que tem uma causa orientada ao bem-estar e a sustentabilidade.

Temos realizado audiências públicas, debates abertos, reuniões com autoridades, entre outras ações. E cada dia fica claro a necessidade de conclusão da obra do VLT e a criação de um plano geral de mobilidade para as duas cidades.

Nesta semana, realizamos uma audiência histórica na Secretaria Nacional de Mobilidade e Serviços Urbanos, em Brasília, com o seu Secretário o Dr. José Lindoso de Albuquerque Filho, que está coordenando o Grupo de Trabalho sobre o VLT de Cuiabá e Várzea Grande.

"Cuiabá e Várzea Grande merecem a conclusão da obra e o desenvolvimento de outras ações que melhorem efetivamente a qualidade de vida da população"

Fui acompanhado pelo Deputado Federal Emanuel Pinheiro Neto, que representou a bancada federal e o prefeito de Cuiabá. Na qualidade de Coordenador do Movimento Pró VLT, entreguei um dossiê ao Secretário Nacional de Mobilidade e Serviços Urbanos, José Lindoso, contendo artigos, entrevistas, fotos, divulgadas amplamente na imprensa mato-grossense. É um alerta ao Coordenador do Grupo de Trabalho (GT) sobre a teimosia de alguns maus políticos do Estado que tentam a todo custo implantar um outro modal no lugar do VLT. É um alerta aos integrantes do GT daquilo que seria o maior retrocesso da história de Mato Grosso. Por sua vez, o deputado mato-grossense teve a garantia do Secretário Nacional de Mobilidade, que o prefeito de Cuiabá terá voz na decisão do Grupo de Trabalho (GT).

De acordo com o Secretário, esse dossiê será muito importante para a tomada de decisão daqui 2 meses. José Lindoso disse que a questão ambiental tem que ser considerada. Ele foi Presidente da Ferrovias Bandeirantes S/A (FERROBAN), empresa de transição que arrematou a Malha Paulista da Rede Ferroviária Federal em 1998, após a transferência da FEPASA pelo Estado de São Paulo para a Rede Ferroviária Federal (RFFSA).

José Lindoso é um ferroviário convicto e consciente da necessidade de buscarmos o equilíbrio no sistema de transportes no país, seja para cargas ou passageiros. Hoje, os caminhoneiros podem para o país a qualquer momento, fruto de um desequilíbrio brutal entre rodovia e ferrovia. Da mesma forma, nas cidades, o predomínio de veículos movidos a combustível fóssil traz enormes prejuízos para a saúde da população.

Continuaremos fortalecendo o Movimento e agregando mais e mais lideranças de nossa sociedade. Cuiabá e Várzea Grande merecem a conclusão da obra e o desenvolvimento de outras ações que melhorem efetivamente a qualidade de vida da população, sempre optando pelos meios mais saudáveis, sustentáveis e de interesse da maioria.

VICENTE VUOLO é economista e cientista político.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Carlos Nunes - 07-09-2019 08:28:42

Pois é, antes que tio MM pensar em retomar a obra do VLT - o fantasma do tio Silval...aquele que o próprio tio Silval já disse que só apareceu pra passarem a mão no dinheiro...é bom ler a matéria do midianews, intitulada: MODAL QUESTIONADO, onde mostra que o VLT lá do Rio de Janeiro já tá dando prejuízo de 100 MILHÕES DE REAIS. É que o preço da passagem não cobre os custos e prejuízos do negócio, então o governo tem que tampar o rombo todo mês. O povo jamais pagará preço de passagem cara. VLT é caro pra fazer e depois caro pra manter. Aqui em Cuiabá tem que pensar na Logística da coisa...onde passará o VLT não passará mais ônibus. Então, os ônibus virão dos incontáveis bairros e despejarão os passageiros nas Estações do VLT. Cada composição do VLT articulada com vários vagões, em cada passagem que der, dá pra transportar mais de 300 passageiros. Não sobrará passageiro pros ônibus, por onde passará o VLT. Não tem demanda de passageiros pros dois, ao mesmo tempo. Se os ônibus pegarem passageiros nos pontos, aí, não sobrará passageiro pro VLT. Vai embananar tudo...E o preço da passagem será rateado entre os ônibus e o VLT...vai ter que dividir o pouco por dois. Será que os ônibus começarão a ter prejuízo? Haverá demissão de motoristas dos ônibus? Não vai depois complicar a situação já precária dos ônibus...aí acaba estragando os dois: os ônibus e o VLT juntos,uai.

Responder

1
0


1 comentários