Com liberação para compra de 20 kg de pólvora por atirador, governo abre caminho para fábricas "caseiras" de munição | MUVUCA POPULAR

Sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2020

BRASIL Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020, 11h:15 | - A | + A




PERIGO

Com liberação para compra de 20 kg de pólvora por atirador, governo abre caminho para fábricas "caseiras" de munição

Em meio aos diversos decretos promulgados pelo governo de Jair Bolsonaro em 2019 para facilitar o porte de armas de fogo e a venda de armamentos e munição, uma medida em especial poderá facilitar o desvio de cartuchos para o crime organizado, segundo reportagem de Ligia Guimarães na BBC Brasil.

 

Decreto 9.846/2019, de 25/VI/2019, elevou a quantidade máxima de pólvora que cada colecionador de armas, atirador desportista ou caçador pode comprar anualmente para vinte quilos - anteriormente, o limite era de doze quilos por ano para colecionadores e praticantes de tiro esportivo, e apenas dois quilos para caçadores.

 

Uma consequência da maior quantidade de pólvora nas mãos dessas pessoas poderá ser, segundo a reportagem, uma ampliação das "fábricas caseiras" de munição, que realizam a recarga doméstica dos cartuchos - ou seja, a prática de reutilizar uma cápsula depois que o projétil já foi disparado, preenchendo-a com pólvora para que possa ser utilizada novamente.

 

Vinte quilos de pólvora é quantidade suficiente para fabricar quarenta bombas caseiras, por exemplo - dessas que explodem caixas eletrônicos.

Ou quarenta mil munições por ano...

 

No YouTube, diversos tutoriais ensinam como realizar a recarga caseira dos cartuchos - utilizando equipamentos de altíssima precisão como cortadores de unha, pinças e palitos de fósforo...

 

Em abril de 2019, em Limeira-SP, um engenheiro morreu após realizar a recarga caseira de cartuchos. Ele teve 70% do corpo queimado.


Vídeos no YouTube ensinam como recarregar munição em casa... (Reprodução)

Outro decreto do Governo Federal permitiu aos clubes de tiro a possibilidade de vender munições não apenas para seus associados, mas também para qualquer cliente. "A relação dos clubes de tiro com o cliente não tem tanto rigor quanto com associados. Se você não tem experiência em tiros e faz um curso de uma hora, você já é cliente e pode usar essa munição recarregada lá por uma hora. E aí vai depender do controle de cada clube de tiro, se o Estado não controla, se você vai embora com a munição ou não", afirma Rafael Alcadipani, professor de Administração da Fundação Getulio Vargas (FGV).

 

Ele continua: "agora nada impede que o crime organizado monte um clube de tiro de fachada para encher a munição para ele. Não é muito difícil criar um clube de tiro de fachada. O que significa, na prática, é que o governo está liberando a possibilidade de o crime organizado se municiar, sem nenhuma repressão".

 

Segundo Ivan Marques, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, as medidas irão dificultar ainda mais o rastreamento de munições utilizadas em crimes no Brasil: "essa é uma munição que não tem rastreabilidade. Ou seja, no caso do mau uso dessa munição, é virtualmente impossível saber a sua origem e elimina um pedaço importante da investigação criminal".

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Oi? - 20-01-2020 13:07:59

Mas pra que alguém precisa de 20kg de pólvora por ano? Nem sal é preciso tanto por ser humano. Podiam passar isso pra 20kg de carne, pelo menos os humaninhos seriam beem alimentados.

Responder

4
0


1 comentários

coluna popular
Prefeito se emocionou durante homenagem
Vice-governador apoia manifestação anti-Congresso
Interessados devem comparecer ao diretório
Outro rumos
Faltam máscaras e gel

Últimas Notícias
27.02.2020 - 19:14
27.02.2020 - 18:58
27.02.2020 - 17:58
27.02.2020 - 17:22
27.02.2020 - 16:43




Informe Publicitário