Deputado do PSL entra com representação contra Ludmilla por 'apologia ao crime' | MUVUCA POPULAR

Terça-feira, 10 de Dezembro de 2019

ENTRETENIMENTO Quarta-feira, 04 de Dezembro de 2019, 11h:24 | - A | + A




DEU RUIM??

Deputado do PSL entra com representação contra Ludmilla por 'apologia ao crime'

O deputado federal mineiro Cabo Junio Amaral (PSL) entrou com uma representação contra Ludmilla na Polícia Federal (PF) e no Ministério Público Federal (MPF), além de requisitar uma moção de repúdio na Câmara dos Deputados por conta da música "Verdinha", divulgada na última semana.

 

A letra em si não cita o nome maconha, mas de acordo com informações do Hoje em Dia, o parlamentar apontou que os versos expõem a ideia de plantar, vender e usar a droga. Nas imagens, a carioca aparece andando entre uma plantação de alface, vestida como uma fazendeira, enquanto fuma um cigarro. Há também momentos em que várias pessoas aparecem rindo em meio a uma plantação "enfumaçada".

Além disso, ele também ajuizou uma notícia crime na PF e fez uma representação da Procuradoria-Geral da República (PGR) para que o MPF apure os fatos. "As pessoas famosas que exercem influência na sociedade e principalmente na formação de crianças e adolescentes, os chamados formadores de opinião e aqueles que têm algum tipo de exposição pública, por sua representatividade ou profissão, devem ter um elevado grau de responsabilidade em suas declarações e comportamentos. É extremamente prejudicial, especialmente à formação das crianças e dos adolescentes, a exibição pela mídia de entrevistas, declarações, filmes, novelas, músicas ou comerciais, difundindo a droga como algo positivo, charmoso e até inofensivo. Isso acaba reforçando a posição do dependente químico e estimulando pessoas que, de outra forma, não teriam disposição para experimentar um entorpecente", argumentou.

 

Segundo a assessoria de imprensa de Ludmilla, a letra faz uma "brincadeira" em alusão ao dinheiro, usando a fumaça verde e notas de dólares para "provocar o imaginário do público, que se instiga pelo apelo visual". Vale dizer que em 2011, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu de forma unânime - em um processo que tratava sobre a liberação das chamadas "marchas da maconha" -, que as prisões de pessoas por vestirem roupas com estampas de folha da maconha e por defenderem a legalização da droga iriam de encontro ao princípio constitucional da liberdade de expressão.

 

COMEMORAÇÃO

Em meio às polêmicas, Ludmilla celebrou a liberação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para que sejam vendidos produtos à base de cannabis nas farmácias. “Isso vai ajudar muita gente”, escreveu Ludmilla ao tuitar uma notícia sobre a regulamentação.

 

O assunto era tratado como tabu, já que a substância desses produtos chamada THC, é encontrada na maconha, que segue sendo proibida no Brasil. De acordo com o site do programa "Bem Estar", “O THC altera as funções cerebrais e é a substância que provoca os mais conhecidos efeitos do consumo da maconha, droga ilegal no Brasil. Entretanto, estudos indicam que o THC também pode ser usado como princípio ativo para fins medicinais”.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Fortalecimento de cadeias produtivas
Compartilhando Fake News
Educação Básica em pauta
Empenhada em políticas voltadas para mulheres
Encontros serão semanais

Últimas Notícias
09.12.2019 - 19:00
09.12.2019 - 17:21
09.12.2019 - 16:16
09.12.2019 - 15:53
09.12.2019 - 15:36




Informe Publicitário