"Violência não pode ser política de segurança pública" | MUVUCA POPULAR

Domingo, 18 de Agosto de 2019

ENTREVISTA Sábado, 29 de Setembro de 2018, 12h:00 | - A | + A




Muvuca Entrevista

"Violência não pode ser política de segurança pública"

O candidato a deputado federal, Coronel Jorge Luís, declara, ainda, que segurança não depende só da polícia


Redação

“Nossos governantes pensam que vão reduzir os indicadores de violência, com mais violência, mas não vão conseguir”, declarou o Coronel Jorge Luís, que é candidato a deputado federal pelo PSD.

O candidato trabalha na polícia militar a 28 anos e acredita que “segurança pública não é assunto só da polícia, existem vários fatores que impactam na segurança pública que foge da atividade da polícia”.

Para o coronel o aumento da violência está relacionada ao fato de não se conseguir manter as pessoas que comentem delitos presas. Por isso, o candidato quer em Brasília discutir esses fatores. “Precisamos discutir a progressão de regime, a reincidência hoje no Brasil é 85%”, argumentou.

Entre suas principais propostas estão fomentar a industrialização no estado, discutir a Lei Kandir, discutir a saúde preventiva e o fortalecimento da educação.

Confira a entrevista completa

Muvuca Popular – Conta um pouco da sua história, por que você se candidatou para deputado?

Coronel Jorge Luís – Eu sou o coronel Jorge Luís, candidato a deputado federal, meu número é 5590. Sou Coronel da Polícia Militar a 28 anos. O meu pai serviu está instituição por 30 anos, sou cuiabano, ex-comandante geral da polícia. As vezes as pessoas me perguntam por que eu me coloquei para disputar uma vaga para deputado federal e eu tenho respondido com muita firmeza que por ser mato-grossense por ser cuiabano eu quero defender um estado mais forte, um estado mais justo. Um estado que cresça de forma proporcional, promovendo qualidade de vida para todas as pessoas. Eu sempre falo que Mato Grosso não pode se orgulhar somente de ter aqui a maior produção de grãos, de ser o celeiro da produção de soja e algodão. Mato Grosso não pode se orgulhar somente de ter aqui a maior concentração de gado bovino. Todas as vezes que o estado exporta grãos, carne bovina, nós estamos gerando emprego em São Paulo, na China, na Alemanha, mas não aqui. Nós precisamos trabalhar para que possamos buscar a industrialização, possamos gerar para todos os mato-grossenses emprego, renda e oportunidade. Quero ser o representante de Mato Grosso na Câmara Federal para lutar pelas instituições constituídas, ser um representante, se Deus e os mato-grossenses me permitir, para lutar pela família. Se Deus e o povo mato-grossense me derem à honra, pode ter certeza que nós iremos para Brasília discutir e fortalecer das instituições e as famílias de Mato Grosso.

Muvuca Popular – Candidato, você falou da sua proposta para fomentar a industrialização. Além dessa, quais suas principais propostas?

Coronel Jorge Luís – Olha, eu além da área da segurança pública, que já trabalho há 28 anos, quero discutir fortemente a política criminal vigente hoje no país. Nós temos que discutir a questão da reincidência, da progressão de regime, a audiência de custódia e o monitoramento através das tornozeleira. Também discutir a lei Kandir, o novo PAC Federativo, eu discordo dessa divisão do bolo tributário. Temos que investir mais nos municípios, pois as pessoas vivem nos municípios. Enfim, quero discutir a saúde preventiva, o fortemente a educação, pois eu acredito que nós só vamos diminuir os indicadores de criminalidade investindo na educação.

Muvuca Popular - Em relação à segurança pública, você citou alguns pontos, mas como mudar o quadro atual de tanta violência?

Coronel Jorge Luís – Hoje existe um equívoco muito grande, as pessoas, nossos governantes pensam que vão reduzir os indicadores de violência, com mais violência, mas não vão conseguir. Já foi provocado que assim não vão conseguir. Nós temos que entender que isso não é assunto só da polícia, existem vários fatores que impactam na segurança pública que foge da atividade da polícia. Aliás, eu gostaria de parabenizar as forças de segurança do Estado de Mato Grosso pelo trabalho que vem fazendo, estamos reduzindo sim os indicadores de criminalidade principalmente roubo, homicídios e furtos, mas a sensação de insegurança vem crescendo no Estado de Mato Grosso e no Brasil! E isso se deve por que não se consegue manter preso hoje às pessoas que cometem delitos. Eu quero em Brasília discutir esses fatores, precisamos discutir a progressão de regime e a evasão escolar.  A reincidência hoje no Brasil é 85% não existe sistema prisional no mundo que vai dar tratamento digno para todas as pessoas. Precisamos também discutir as faixas de fronteiras, nós temos 750 km de fronteiras seca com a Bolívia, e só existe a presença do Estado por meio do Gefron. É necessário unir e fortalecer, para acabar com os crimes que impactam não só na segurança pública como também no sistema prisional.

Muvuca Popular – Candidato, qual é a sua principal crítica a atual gestão, ao governador Pedro Taques?

Coronel Jorge Luís – Acredito que o momento não é de se buscar culpado, às vezes a pessoa fala - ‘ah! A polícia prende e solta, o judiciário prende e solta’ - isso é um equívoco muito grande, nós temos um problema sério no país e o momento agora não é de buscar culpados, é momento de discutir com autoridade, com respeito chamando as instituições para que podemos verdadeiramente impactar na diminuição da criminalidade.

Muvuca Popular – E em nível nacional, quem o senhor está apoiando para candidato à presidência?

Coronel Jorge Luís - O Brasil tem 13 candidatos, 13 perfis. Então, chegou a hora do povo, o brasileiro tem que votar com consciência, com responsabilidade, pois o voto não tem preço, mas tem consequência. O Brasileiro tem que parar de ficar transferindo responsabilidade. Nós como eleitor temos que assumir nossa responsabilidade, se a saúde vai mal, se a educação vai mal, se a segurança não atende suas demandas, como leitor tenho minha parcela de responsabilidade. Então, eu peço ao eleitor do estado de Mato Grosso que no dia 7 de outubro, vote com consciência, com responsabilidade para podermos ter um país melhor.

Muvuca Popular - Qual o seu último recado para os eleitores?

Coronel Jorge Luís – Eu sou o Coronel Jorge Luís, candidato a deputado Federal, meu número é 5590. Sou Cuiabano sou da região do parto, do Grande terceiro, Praeiro e Praeirinho.  Sou policial militar devo tudo a essa instituição e gostaria de parabenizar mais uma vez, a Polícia Militar, Bombeiro Militar, Polícia Civil, Agente prisional, Politec, pelo excelente trabalho que vem fazendo no Estado de mato Grosso. Peço encarecidamente para o eleitor que independente de sigla partidária, escolha aquele representante com perfil, com serviços prestados para que possamos ter um Brasil mais justo. Eleitor faça a diferença votando com consciência.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(7) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

jose antonio silva - 01-10-2018 12:17:00

Coronel que é isso? Tá do lado da malandragem? Ou seria um deles? Combate sim, violência com violência! Bandido bom é bandido morto! Na violência mata-se todos os bandidos e pronto!

Responder

2
5


Marino - 01-10-2018 08:51:34

Eu não tenho culpa de nada, não voto em político sangue suga, agora veja só, querem um que em 30 anos fez o que? nada além de por todos da família na política, e o povo acha que ele vai salvar o país, piada pronta

Responder

2
4


Tonho - 01-10-2018 08:49:08

Não mesmo, porém não tem mais o que fazer, só matando mesmo para dar fim nesses traste e mandar todos para abraçar o capeta

Responder

3
0


Cibelle - 01-10-2018 08:48:08

Militar, hum, sei não, esse defende Bolsonaro só não deve gostar da postura do candidato

Responder

0
6


zé - 30-09-2018 08:45:03

Cel? Vem com esse papinho de paz e amor? Vamos lá. Você na sua casa, o sujeito pula o muro pra te assaltar. Você armado vai chamar o cara pra tomar um café ou vai sentar as azeitonas no meliante? Não venha com esse papo de politicamente corrente. Isso é papo de comuna.

Responder

4
4


Noelma - 30-09-2018 06:55:21

Ainda bem que esse militar não defende o Coiso, senão perderia meu voto.

Responder

3
6


Carlos Nunes - 29-09-2018 15:32:12

Pois é, diversos sites da Capital, há pouco tempo, deram uma série de notícias escabrosas: bandido invade casa e estupra mulher na frente do marido...bandido invade casa e estupra mulher na frente da mãe...bandido invade casa e estupra mulher na frente da filha...e por aí vai. Lembrei do que já disse o Datena diversas vezes: enquanto isso ou coisa pior tá acontecendo com os outros...ninguém importa, fica no Paz e Amor...o dia que for uma filha, neta, esposa, nossa...que o bandido estuprar, barbarizar, e até matar...vamos ser os primeiros a pedir PENA DE MORTE pro bandido. Segundo o Datena, PENA DE MORTE já existe no Brasil..tá na mão do bandido. O que significa tudo isso? Significa que, do FHC pra cá (Lula, Dilma, Temer), o mal avançou no Brasil, e enquanto bem recuou. Primeiro a bandidagem tomou as ruas, depois começou a invadir as casas, e fazer barbaridades. Ficaram audaciosos porque sabem que 90% (ou mais da população) tá desarmada...ele agora escolhe: hoje vou entrar naquela casa...amanhã naquela. E entra. Até a polícia chegar...já era. A mulher já foi estuprada em frente do marido, da mãe ou da filha. O paí de família já recebeu um tiro na cara, ou na cabeça, como acontece aos montes. É por tudo isso que o Bolsonaro é o melhor candidato a presidente do Brasil...ele é a REAÇÃO a tudo isso. Alguém tem que reagir. Numa das muitas mensagens psicografadas pelo Chico Xavier, ele disse: ...vai aparecer um homem franco, sincero e leal...será combatido e criticado por seu temperamento e atitudes, mas ele contará com a proteção de DEUS...este que surgirá, terá em seu nome a letra inicial do país.

Responder

13
3


7 comentários