Igreja Batista Getsemâni

Entidades pedem para que quarentena não seja prorrogada em Cuiabá e VG

Apenas atividades essenciais estão com permissão para funcionar

Redação Muvuca Popular
redacaomuvuca@gmail.com

 

O presidente da Fecomércio-MT, José Wenceslau de Souza Júnior, e demais representantes ligados ao comércio e indústria se reuniram por videoconferência com o secretário da pasta de Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso (SEDEC-MT), César Miranda, nesta quinta-feira (08), para discutirem o impacto da prorrogação da quarentena forçada por mais 14 dias na capital e região metropolitana. Apenas as atividades consideradas essenciais estão com permissão para funcionar desde o último dia 25 de junho, deixando grande parte do comércio de portas fechadas. O prazo final da decisão judicial está previsto para encerrar nesta quinta-feira (09).

A medida é uma solicitação da 7ª Promotoria de Justiça Cível do Núcleo de Defesa da Cidadania de Cuiabá, proposta pelo promotor Alexandre de Matos Guedes, e aguarda o parecer do judiciário para entrar em vigor.

Na justificativa, é apontado que a secretaria estadual de Saúde mantenha as duas cidades com risco de classificação “muito alta” para a transmissão da doença.

Porém, os representantes do comércio e da indústria, que também participaram do debate, contestaram a decisão e solicitaram uma reunião com o juiz sobre a decisão do juiz José Luiz Lindote, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Várzea Grande, antes da audiência entre ele e os gestores de Cuiabá e Várzea Grande, marcada para ser realizada nesta sexta-feira, às 15h.

Wenceslau ressaltou que “a entidade, desde o início da pandemia – em meados de março – elaborou cartilhas e campanhas institucionais veiculadas em emissoras de TV, com os protocolos de biossegurança recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). E apesar de todo esforço que os representantes do comércio estão empregando no combate a disseminação da doença, não estamos sendo consultados nas tomadas de decisões do Judiciário, nem das prefeituras municipais. Já solicitamos, porém não fomos incluídos nos grupos de combate à Covid-19”.

Por meio dos agentes de saúde do Sesc e Senac-MT, a entidade percorreu centenas de estabelecimentos comerciais distribuindo máscaras de proteção facial, álcool em gel e instruindo sobre a limpeza do ambiente e distanciamento social.

“De acordo com os dados divulgados pela Secretaria de Saúde de Mato Grosso, foram registrados recordes de pessoas infectadas pela Covid-19 nos últimos dias, mesmo com parte dos estabelecimentos do comércio fechados. Isso mostra que é necessário a conscientização da população em relação a prevenção, no ambiente social e familiar. Já que conseguimos cuidar dos clientes e dos nossos colaboradores enquanto eles estão na empresa”, afirmou o presidente da Fecomércio-MT.

Para completar, Wenceslau alertou que além da pandemia,  Mato Grosso está à beira de outra crise – econômica e social – com a falência de inúmeros estabelecimentos comerciais e ocasionando o aumento no número de desempregados.

O secretário da SEDEC-MT, Cezar Miranda, propôs que as entidades elaborem um relatório técnico onde fique comprovado que não é a abertura do comércio a causa do aumento dos casos de pessoas infectadas, e acrescentou sobre a possibilidade de propor escala de funcionamento entre os segmentos considerados não essenciais.


Fonte: MUVUCA POPULAR

Visite o website: https://muvucapopular.com.br