Inversão de Significados | MUVUCA POPULAR

Sábado, 06 de Março de 2021

MATO GROSSO Terça-feira, 23 de Fevereiro de 2021, 13h:16 | - A | + A




Inversão de Significados

Inversão de Significados

A língua está longe, muito longe de ser imutável, de estar pronta e acabada. Ao contrário. Sofre mudanças, e é, a todo instante, influenciada. Pois recebe, em forma de empréstimos, palavras estrangeiras, e tem acrescido termos, até outro dia, considerados proscritos, periféricos. O que dá certa dinamicidade ao idioma pátrio, que enriquece, inclusive nos conceitos e no uso dos vocábulos. Contudo, em instante algum, um termo tem o seu sentido mudado, desviado de sua origem e de seu curso natural, mesmo que seja por conveniência ou por interesse de um ou de outrem. Ainda que haja, e sempre há quem procura desvirtuar o seu sentido, com vistas à obtenção de vantagens, inclusive político-eleitorais. Isto se repete a todo instante no país, em especial nos últimos anos, em que fora, por alguns, transformado em uma grande arena, onde se posicionam a torcida “A” e a torcida “B”.

A condição de torcedor retira a possibilidade da reflexão, da racionalidade, uma vez que o ser torcedor age e se deixa levar pela emoção, pelo sentimento, e não pela razão. É o que se verifica agora, por exemplo, com a prisão de um deputado federal, autor e ator de um vídeo em que ele, por mais de dezenove minutos, tece frases de ofensas e agressões a integrantes do Supremo Tribunal Federal.

A decisão da prisão monocrática, depois mantida pelo plenário da Corte, por unanimidade. Contudo, não se pode, nem deve perder de vista o ato decisório, que não veio precedido de um pedido de prisão, o qual sairia do Ministério Público. Se não veio, então o integrante do STF agiu de ofício. Erro crasso. O Judiciário, embora venha a ter essa possibilidade em algumas situações, deve sempre aguardar ser provocado, até para não ser taxado de partidário, de pessoalizar suas ações e atitudes. Nesta esteira, evitar-se-ia também assumir funções que não são suas: o de acusar, investigar e o de pedir a prisão. Foi o que se registrou no caso da prisão do parlamentar.

Parlamentar que, por sua vez, extrapolou os limites da liberdade de expressão ao acusar sem provas e tentar denegrir e ameaçar a pessoa de alguns ministros, e, ao fazê-lo, saiu do campo da opinião propriamente dita, assumindo a posição de setenciador e satanizador, o que ultrapassou o córrego da imunidade parlamentar. Imunidade assegura ao parlamentar a inviolabilidade de suas opiniões, decisões e votos no cumprimento de sua função. Privilégio e vantagem imprescindíveis em um Estado democrático. Vantagem e privilégio, contudo, que se dão estritamente a opiniões, decisões e votos. Restringem-se a estes âmbitos.

Tão somente a eles, nada mais além deles. Pois bem, ao analisar o vídeo postado pelo dito parlamentar, nota-se que ele, o deputado, extrapolou muitíssimo ao setor da opinião. Talvez, por ignorar a premissa basilar: opina-se sobre algo, alguma coisa, situação ou posição tomada. E ao opinar-se, sobre qualquer coisa, exige-se a argumentação, e é esta que sustenta aquela, que a mantém de pé.

Inexiste, portanto, opinião sem argumentação, uma vez que a falta desta, prevalece o achismo, e deixam de fora os fatos, os porquês e para quê. Por conta disso, claro, o referido deputado federal não opinou sobre coisa alguma em seu vídeo, apenas desfilou acusações e ameaças, e, não satisfeito, alimentou o discurso de ódio a integrantes e a Corte, pois tinha um propósito, o de agradar a alguém ou a alguns, além de atrair a atenção do seu público-alvo, e ele, de fato, conseguiu o seu intento.

Reforçando, assim, a tese de que “os fins justificam os meios”, independentemente se venha a ofender, no caso, o estatuto do Estado, o estado democrático e direito, e, por tabela, a imensa maioria da população. Assim, o parlamentar desrespeita a própria Câmara Federal, que tem o poder, constitucionalmente, de mantê-lo ou não na prisão, e de puni-lo exemplarmente. Mas, como é de praxe, dificilmente essa punição irá acontecer. Confundindo-se, uma vez mais, os conceitos das palavras imunidade e impunidade, como se estas fossem sinônimas. É isto.

 

* Lourembergue Alves é professor universitário e analista político.      

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Carlos Nunes - 23-02-2021 15:02:14

Pois é, no país das inversões de valores, chamado Brasil, ficou difícil saber o que é Liberdade de Opinião e de Expressão. Será que é só pra elogiar, puxar o saco, ser muito bem educado (até demais)...ou pode falar mal, escaqueirar, meter o pau, xingar, etc? Ou depende da pessoa pra qual a ofensa é dirigida? Tio Clodovil, então Deputado Federal, só porque chamou uma colega de "feia", quase foi levado pro Conselho de Ética, e foi ameaçado de perder o mandato...Feia virou palavrão. Recentemente tio Datena, em seu Programa, entrevistou o esquentado tio Ciro Gomes, que, ao vivo e a cores, chamou o BOLSONARO, presidente da República, de "canalha". O que aconteceria, se tio Ciro chamasse um Ministro do Supremo "disso"? Jamais saberemos, pois tio Ciro pode ser esquentado, mas não é besta. Cadê a coragem? Tio Janot confessou que foi um dia armado no Supremo, pra acertar as contas com um Ministro, mas nem foi preso por isso. Agora apareceu tio Silveira, outro esquentado (esquentado até demais, super-esquentado)...diz o que pensa, e fazem uma tempestade num copo d'água...a tia relatora da manutenção da prisão, diz que tio Silveira quer dar um Golpe. Como assim? Golpe de 1 só homem? Tio Silveira, de ilustre desconhecido, insignificante, que não fede nem cheira, como diz o ditado popular, tá entrando pra História do Brasil, como o cara que peitou o Supremo, e foi punido por isso. Peitar o Supremo passa a ser peitar Os Poderosos do Brasil, ou não? A gente pode até não concordar com o que tio Silveira disse, mas ele tem o direito de ter sua Opinião, e de expressá-la, agrade ou desagrade. Ou não? Onde não tem Liberdade de Opinião e Expressão é lá na Coreia do Norte...chegar na frente do Ditador e dizer que ele é feio, o cara recebe uma surra, é jogado numa prisão com prisão perpétua...dizer que pode atentar contra a sua vida, é ir pro fusilamento. Lá os Janots e Silveiras da vida tão todos mortos.

Responder

1
0


1 comentários

coluna popular
Pista foi interditada
Em comércio
Principal nome a ser indicado
João Batista não concorda com decisão
Covid-19

Últimas Notícias
06.03.2021 - 17:23
06.03.2021 - 15:41
06.03.2021 - 14:44
06.03.2021 - 13:30
06.03.2021 - 11:03




Informe Publicitário