Apoio à pena de morte cresce nos EUA, segundo pesquisa do instituto Pew Reseach Center | MUVUCA POPULAR

Segunda-feira, 19 de Outubro de 2020

MUNDO Quarta-feira, 05 de Setembro de 2018, 10h:31 | - A | + A




PENA CAPITAL

Apoio à pena de morte cresce nos EUA, segundo pesquisa do instituto Pew Reseach Center

Em 2016, o apoio à pena de morte atingiu 49%, o menor nível nos EUA em 40 anos. Desde então, os defensores da pena capital para os condenados por homicídio aumentaram e, em 2018, voltaram a ser a maioria da população (54%), segundo pesquisa do instituto Pew Reseach Center.

Os números ainda ficam muito abaixo do patamar de décadas anteriores, mas apontam que a maior mudança de comportamento entre os que responderam à pesquisa aconteceu dentro do grupo que se considera independente - nem republicano, nem democrata. Entre 2016 e 2018, o apoio à pena de morte entre os independentes subiu de 44% para 52%.

Robert Dunham, diretor executivo da instituição Death Penalty Information Center, afirma que a curva de análise das pesquisas mostra que a população americana tem se distanciado do apoio à pena de morte. Segundo ele, movimentos pontuais de alta podem ter influência, por exemplo, com a fala do presidente americano, Donald Trump, de adotar "tolerância zero" com traficantes de drogas e seu discurso em defesa da pena de morte para esses criminosos - em março, o presidente pediu a morte de traficantes.

Já na avaliação de Evan Mandery, autor de livros sobre a pena de morte e professor da John Jay College of Criminal Justice, em Nova York, os apoiadores de Trump já são tipicamente aqueles que defendem a pena de morte e, por isso, ele não vê evidências de que o discurso contamine o resultado da pesquisa.

Mandery afirma que "ficaria muito surpreso se houvesse o ressurgimento dos apoiadores", disse. De acordo com ele, os números são "dramaticamente diferentes" do que costumavam ser há anos e continuam distantes de um apoio da população à pena capital.

 

"Há fatores individuais que podem afetar os números pontualmente, mas que necessariamente não impliquem em reversão da tendência", afirma Robert Dunham. Ele cita uma pesquisa do Instituto Gallup, de outubro, que apontou que 55% da população americana se declarava a favor da pena de morte para assassinos condenados. A taxa seria a mais baixa desde março de 1972, quando a Suprema Corte dos EUA declarou a pena de morte inconstitucional.

A relação do apoio à pena de morte com o crime, segundo os especialistas, não é direta. O que pode afetar a resposta da população é a sensação e a percepção sobre os índices de criminalidade.

Para o diretor do centro Death Penalty Information, essa percepção pode ser afetada por "deturpações" do governo atual, ao mencionar taxas de homicídios, e no tratamento inflamatório sobre imigrantes e aumento do perigo no país, fazendo referência ao governo Trump.

Nos EUA, os dados do Departamento de Justiça mostram que, no primeiro semestre de 2017, em comparação com o mesmo período de 2016, os crimes violentos e os homicídios caíram 3,3% e 1,9%, respectivamente, nas cidades com mais de 1 milhão de habitantes. Em todo os EUA, o número de crimes violentos caiu 0,8% e o de homicídios, em compensação, subiu 1,9%.

Michael Rushfor, presidente da associação Criminal Justice Legal Foundation, que se declara a favor dos direitos das vítimas, considera que altas taxas de homicídios em grandes cidades como Baltimore, e a ostensiva cobertura da imprensa sobre os casos faz a população aumentar seu apoio à pena de morte.

"As pessoas estão mais conscientes do aumento do crime e da violência, que parece estar fora do controle em algumas regiões", afirmou. Segundo ele, iniciativas para reduzir o tempo de pena de criminosos e aliviar o sistema penitenciário americano também podem aumentar a sensação de insegurança e o apoio à pena de morte.

Autor de livros sobre o tema, Evan Mandery pondera que o apoio à pena de morte é analisado "como um fator sociológico mais profundo, que leva em conta aspectos como escolaridade". Na pesquisa do Pew Research Center, 56% dos adultos com diploma de pós-graduação se opõem à pena de morte para os condenados por homicídio. O número cai para 42% entre aqueles com diploma universitário, mas sem pós-graduação, e para 38% entre os que acabaram os estudos no ensino médio.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Luto em VG
Evento on-line
Vice-governador pode ser expulso do partido
Nem aí para os professores
Briga por vaga no Senado

Últimas Notícias
19.10.2020 - 15:38
19.10.2020 - 15:12
19.10.2020 - 15:09
19.10.2020 - 15:06
19.10.2020 - 14:42


Muvuca (PL)

Adevair Cabral (PTB)

Chico 2000 (PL)

Misael Galvão (PTB)

Ricardo Lobo (PL)

Aladir (PL)

Sargento Joelson (SD)

Juca do Guaraná (MDB)

Luluca Ribeiro (MDB)

Macrean

Renivaldo Nascimento

Toninho de Souza

Edna Sampaio (PT)

Robson Cireia (PT)

Ricardo Saad

Oseas Machado (MDB)

Rogério Varanda

Alex Ribeiro (PP)

Maurélio (PSDB)

Dudu Santos

Marcelo Bussiki

Vinícyus Clovito

Diego Guimarães

Mário Nadaf

Marcos Veloso

Gisele Almeida

Orival do Farmácia

Wilson Kero-Kero

Dr. Xavier

Justino Malheiros

Zidiel Coutinho

Sargento Vidal

Dídimo Vovô

Clebinho Borges

Júlio da Power

Jamilson Moura

Emídio de Souza (PSL)

Adalberto Cavalcanti

Ricardinho

Kako do CPA

Dilemário Alencar

Max Campos (PSB)

Cezinha Nascimento

Edienes Hadassa

Dr Luiz Fernando

PF Rafael Ranalli

Gabriel Henrique

Itamar Jefferson (PL)

Cristiano Paraqueda

Sebastião Moraes

Daniel

Justino Campos

Rafael "Faré"

Darley Gonçalves

Osmar Rodrigues "Chefinho"

Elenir Pereira

Prof.instrutor Joaquim Neto

Diogo Fernandes

Ade Silva

Sargento Ozeni

Dito Paulo

Paulo Macedo

Luiz BA

Professor Frankes

Paulo da VGDI

Valdemir MM

Weto Salgado

Dr. Daúde

Bob Medina

Wagner Vinícius

Luis Carlos

Carlos Henrique do Correio

Adv Cris

Elenir Pereira

Zé Carlos

Luis Cláudio

Huelton Souza

Rosenil Luiz (Canelinha de pacu) (PL)

Sargento Ozeni

Luiz Poção (PL)

Edilson Odilon (PL)

Paulinho CPA

Germânio Araújo

Chico do Leblon

Delegado Garcia

Renato Anselmo

Cleber Adôrno

Doidinhoducorte

Neno do Pascoal Ramos

Prof. Jorginho

Itamar Carvalho

Sidney de Souza

Marquinhos Carioca

Renato Anselmo

Pablo Queiroz

Pastor Jeferson

Paulo do Carmo

Vinícius Pardi

Aroldo Telles

Marcus Brito Jr.

Elzio Xaulin

Ledevino Conceição

Elias Santos

Edmilson Carmo

Gato Louco

Nilda Tosca



Informe Publicitário