Agente suspeito de tortura é indiciado por lesão corporal e cárcere privado | MUVUCA POPULAR

Sábado, 22 de Fevereiro de 2020

POLÍCIA Quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019, 09h:21 | - A | + A




Crimes em série

Agente suspeito de tortura é indiciado por lesão corporal e cárcere privado

Outras seis mulheres que tiveram relacionamentos amorosos com ele também o denunciaram.

Divulgação

edson.jpg

 

O inquérito que investigava o agente penitenciário Edson Batista Alves, de 35 anos, foi concluído nesta semana pela Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cuiabá (DEDM) e o suspeito foi indiciado por lesão corporal e cárcere privado. Agora o inquérito será encaminhado à Justiça.

As investigações também seguem na Delegacia Especializada de Defesa da Criança e do Adolescente (DEDDICA).

Edson Batista foi preso no dia 21 de novembro suspeito de torturar e manter em cárcere privado a namorada e o filho dela, de 6 anos. Segundo a polícia, a mulher e a criança eram torturadas e mantidas em cárcere privado há duas semanas. Edson chegou a quebrar o braço do menino e o obrigou a gravar um vídeo dizendo que tinha sofrido a fratura em um acidente.

As vítimas relataram que, além de socos e chutes, eram espancadas com fio de carregador, cabo de vassoura e até queimadas com água quente. A criança afirmou à reportagem que Edson chegou a colocar a cabeça dela na privada durante as agressões.

O agente também foi denunciado por violência doméstica por outras seis mulheres que tiveram relacionamentos amorosos com ele. Uma delas, registrou quatro boletins de ocorrência contra o agente.

Mulher era espancada e ameaçada pelo namorado — Foto: TVCA/Reprodução

Mulher era espancada e ameaçada pelo namorado — Foto: TVCA/Reprodução

Elas contaram que Edson as obrigou a tatuar o nome dele. Segundo as vítimas, caso não atendessem ao pedido, eram espancadas.

De acordo com essas mulheres, durante as sessões de tortura, o agente também as obrigava a beber a urina dele em um copo.

Vítimas dizem que foram obrigadas a tatuar nome do suspeito — Foto: Divulgação

Vítimas dizem que foram obrigadas a tatuar nome do suspeito — Foto: Divulgação

As mulheres contaram ainda que as sessões de tortura chegavam a durar horas.

Edson atuava no Setor de Operações Especiais (SOE), mas estava afastado do trabalho por violência doméstica e era monitorado por tornozeleira eletrônica.

 Edson Batista Alves, de 35 anos, foi preso em Cuiabá — Foto: Facebook/Reprodução

Edson Batista Alves, de 35 anos, foi preso em Cuiabá — Foto: Facebook/Reprodução

A prisão
A última namorada de Edson, que estava sendo mantida em cárcere privado junto com o filho, contou que eles foram a um jantar na casa de amigos e ela conseguiu fugir com a criança durante a madrugada quando o suspeito foi ao banheiro. Ela procurou ajuda em uma base da Polícia Militar, em Cuiabá.

Segundo a polícia, após descobrir a fuga da mulher, Edson ainda teria rastreado o celular dela. Ele foi preso rondando a base da polícia.

Após a prisão, o suspeito foi encaminhado para audiência da custódia e a Justiça converteu a prisão em flagrante em preventiva.

Ele foi encaminhado para um presídio militar, em Santo Antônio de Leverger, onde permanece preso.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários

coluna popular
Mobilização em Cuiabá
Veja trecho da decisão
Sintonia com a Casa de Leis
Biometria é obrigatória por lei
Juíza saiu em defesa do Presidente

Últimas Notícias
22.02.2020 - 16:04
22.02.2020 - 15:22
22.02.2020 - 11:52
22.02.2020 - 10:02
22.02.2020 - 09:33




Informe Publicitário