Desocupação do garimpo deixa Aripuanã em situação de emergência | MUVUCA POPULAR

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019

POLÍTICA Quarta-feira, 09 de Outubro de 2019, 17h:40 | - A | + A




Vulnerabilidade Social

Desocupação do garimpo deixa Aripuanã em situação de emergência

Cerca de 2 mil pessoas estão desabrigadas e passando fome no município


redacaomuvuca@gmail.com

A prefeitura de Aripuanã, localizada a 949 km de Cuiabá, decretou situação de emergência social, devido à alta quantidade de pessoas em situação de vulnerabilidade que ficaram desabrigadas com após a desocupação do garimpo na segunda-feira (7). A súmula foi publicada no Diário Oficial dos Municípios que circula nesta quarta-feira (9).

Na justificativa do decreto, o prefeito Jonas Canarinho (PR) afirma que por causa da desocupação cerca de duas mil pessoas estão desalojadas e, "em sua grande maioria, sem recursos financeiros para se alimentarem e retornarem às suas cidades de origem".

Ainda segundo o decreto, que tem validade de 180 dias, a prefeitura não tem condição de atender as necessidades básicas dessas pessoas "em virtude dessa situação crítica e anômala".

O garimpo na Serra do Expedido foi alvo de investigações da Polícia Federal, após um avião ser apreendido com 6 quilos de ouro. Na região, que é área pública, um grupo começou a procurar ouro e depois passou a cobrar pela entrada de novos garimpeiros na terra.

Com o decreto, o município fica autorizado a dispensar licitação para a contratação de serviços e aquisição de bens para amenizar a situação de emergência e abrigar as famílias despejadas.

Além das pessoas desabrigadas, o prefeito enfatiza no decreto o problema na segurança, pois "há inúmeras pessoas descontentes com o fechamento do garimpo, o que tem provocado manifestações de toda ordem pelas vias públicas (...) que poderão gerar motim, revolta e violência".

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

comentários