Future-se é o fature-se que irá canibalizar as universidades, alerta ex-reitor da UnB | MUVUCA POPULAR

Quinta-feira, 22 de Agosto de 2019

POLÍTICA Sábado, 20 de Julho de 2019, 11h:37 | - A | + A




PRIVATIZAÇÃO

Future-se é o fature-se que irá canibalizar as universidades, alerta ex-reitor da UnB

Professor José Geraldo aponta dois perigos no projeto que implantará uma “visão utilitária que negligencia aquilo que não tem aplicação rentável imediata”


De Brasília (Agência RBC News)

O descompromisso do governo com o financiamento das universidades, que se tornarão reféns dos interesses do mercado, são os dois perigos que o sistema de ensino superior público no Brasil sofrerá com o projeto Future-se anunciado esta semana pelo Ministério da Educação. Esta avaliação é do professor José Geraldo de Sousa Júnior, ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB), da qual também foi diretor da Faculdade de Direito, onde ainda leciona e coordena o grupo de estudos Direito Achado na Rua. Ele analisou para o Muvuca Popular o projeto que já vem sendo apelidado de “Fature-se”, pois em essência direciona as universidades públicas brasileira para a privatização.

“Eu penso que o projeto traz dois perigos. O primeiro é o governo se descomprometer com a sua obrigação que é financiar o sistema e permitir que o conhecimento ele em si seja um valor enquanto base para a felicidade humana. O segundo é que, jogando o financiamento para o sistema privado, as injunções de sustentabilidade acabem tornando as universidades reféns das pesquisas que interessem ao mercado como rentabilidade”, prevê o professor, que é um dos mais renomados jurista do Brasil.

Segundo eles, o projeto “vai desenvolver um sistema canibalizador dentro das instituições, a quebra da solidariedade e do princípio de cooperação que existe nos grupos de pesquisa. Todo mundo que se envolve em uma pesquisa tem o reconhecimento de que participou da criação daquele conhecimento”. E acrescenta que o projeto “vai hierarquizar o sistema de conhecimento na medida que a visão utilitária negligencia aquilo que não tem aplicação rentável imediata. [O projeto] Não trabalha com o longo prazo. O longo prazo de um sistema de bolsas, que é o que preside essa proposta, são os próximos cinco minutos. E a universidade é milenar”.

O professor alerta que o Future-se quer substituir a responsabilidade governamental pelo agente de mercado. “O projeto quer transformar as instituições universitárias, que pela luta história, pelas conquistas da própria Constituição brasileira, foram definidas no nosso sistema político como bens sociais, em bens públicos, bens que estão fora do sistema de mercado. E como você disse bem, no que está presente nesse projeto, se cumpre uma agenda ultraneoliberal, que acaba por realizar dois objetivos básicos: tudo é mercadorizável, até a vida, e tudo é privatizável. Quer dizer, tudo tem que sair da condição de instrumento para realização do bem comum, para se tornar insumo de acumulação de interesse privado”, pontua.

Bem público

O ex-reitor lembra que na Constituição brasileira, dois fundamentos são configurados com esse sentido de bem social, que são exatamente a Educação e a Saúde. “E esses dois fundamentos são os que estão sob o maior ataque desse modelo ultraneoliberal de acumulação possessiva, egoísta, financeirizável, que agora quer chegar num campo que estava mais protegido para a sua ação de investimento, que são a Saúde e a Educação”, observa. “Não por acaso, isso também se faz em plano global. Há um cabo de força entre a OMC, Organização Mundial do Comércio, que sempre quis trazer Saúde e Educação para a lista de serviços acessíveis ao mercado. Todos nos recordamos que na rodada de gestão desses valores em Doha, em 2001, foi exatamente Educação e Saúde que vieram na agenda da OMC para este objetivo: colocar à disposição do mercado um nicho ainda não alcançado”, recorda.

“Só na Educação, em dados de 2003, representavam mais de 53 bilhões de dólares disponíveis para a ganância. Eles querem abocanhar esse mercado. No caso do Brasil, pelo projeto de sociedade democrática e popular, se mantinha como um bem público, um bem social não acessível ao mercado, salvo quando o mercado, como iniciativa privada, realize seus fundamentos, porém respeitando esses valores”, atenta ele.

O professor historiou que por conta do entendimento de que a Educação e a Saúde são bens sociais, houve no Brasil “dois movimentos formidáveis” de universalização. “Na Saúde o SUS, com cobertura universal, com atendimento a todo aquele que reside no território do país. Na Educação, com a expansão e reestruturação do sistema, com a universalização das vagas do sistema básico e com o acesso ampliado ao ensino superior pela ampliação de vagas públicas, pelo sistema de financiamentos das vagas ociosas do sistema privado, com renúncia fiscal, e pelas ações afirmativas, sobretudo, o sistema de cotas indígenas e raciais”, certifica.

Desmantelamento

O professor aponta que investimento público em Saúde e Educação como valores estratégicos para o desenvolvimento autônomo, soberano, do país, permitiu uma expansão sem precedentes do sistema em todos os planos, inclusive no plano patrimonial. “Os fundamentos ultraneoliberais querem transformar tudo isso em insumo de acumulação, da capitalização, e a palavra de ordem é privatizar, retirar do estado tudo que represente salvaguarda patrimonial, imobiliária, de investimentos, que no caso do Brasil inclusive permitiu que as agências de desenvolvimento importantes mantivessem esse equilíbrio em benefício da população, bancos públicos, bancos sociais, bancos de investimentos, que garantiram a manutenção desses sistemas, inclusive a Segurança”, ilustra.

Após identificar que os três fatores básicos que ligam o social ao mercado e ao estado são Educação, Saúde e Segurança, o professor José Geraldo adverte: “E tudo agora é privatizável e gente assiste, por outro lado, o desmantelamento do sistema de financiamento que permitiria manter essas condições em benefício do povo. Lembre-se que quando se descobriu o pré-sal, seus recursos eram para Saúde, Educação e Segurança. E agora entregaram o pré-sal. [E agora] Se diz ‘vamos salvar o sistema, modernizando o sistema e transformando ele em um empreendimento’”.

A verdade, asseverou ele, é que vão lucrar com os insumos desse sistema, mas vão matar a concepção de valor social que a Educação, a Saúde e a Segurança têm. “Com o Future-se tudo será afetado. Veja que não é porque você não tenha estratégias como a que estão contidas no projeto. A rigor, tudo que o projeto está indicando de algum modo já se pratica nas universidades. Por exemplo, se entrar num campus universitário nós vamos ver um espaço com instalação de parcerias público-privadas que cooperam para desenvolvimento e inovação científica e tecnológica, incluindo as tecnologias sociais. Há um conjunto de contratos em execução que essas cooperações estão estabelecidas do ponto de vista da relação entre as universidades públicas e agentes do sistema econômico”, pondera.

“Então, não é propriamente uma novidade. No contexto de concepção de uma universidade pública, essas parcerias e esses contratos que fazem do benefício do bem social protegido que é a Educação um valor estratégico para o desenvolvimento do país. As pesquisas se orientam a partir da definição da universidade quanto ao seu fundamento e a suas hierarquias; os contratos visam a sustentar estágios, atividades de aperfeiçoamento, produção de bens que rendam royalties, patentes, mas que têm um significado para a qualidade de vida e o bem-estar humano”, avalia.

Professores ricos?

Para o ex-reitor da UnB, o que o projeto Future-se quer é transformar inverter tudo isso, se valer da estrutura das universidades no interesse dos objetivos de mercado. “Fica definido é que as parcerias vão fazer a definição das prioridades e dos objetivos de estudo. Quando isso acontece, o que está em causa é retirar a responsabilidade do governo cumprir a vinculação orçamentária em torno da aplicação de verbas públicas para manutenção e funcionamento das universidades e deixar que esse sistema privado opere este financiamento”, denuncia.

“Então as universidades ficarão reféns desse sistema e o próprio secretário de Ensino Superior, quando apresentou a proposta disse que o que ela mais caracteriza é a possibilidade de que agora os professores possam ficar ricos. Por isso é que estão se dizendo que invés de ‘Future-se’ é ‘fature-se’, porque futuro não haverá, porque a instituição pública vai desaparecer. E com ela [desaparecerá também] a pesquisa livre e descomprometida do utilitarismo, que permite que a gente desenvolva arte, desenvolva processos criativos, não aplicáveis utilitariamente, mas que são importantes para o desenvolvimento das sociedades”, volta a advertir.

Confira abaixo o vídeo da entrevista com o professor José Geraldo:

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(8) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Carlos Nunes - 21-07-2019 11:44:20

Aí, o Cid Gomes, lá no Ceará, quando incorporou o "santo", disse: vocês erraram feio...vocês merecem perder a eleição...vocês vão perder a eleição. E perderam...agora é a Era BOLSONARO. Como dizia o Zagallo: BOLSONARO pode dizer: Vocês (que perderam) vão ter que me engolir 4 ANOS. No país das inversões de valores chamado Brasil, a turma que perdeu quer continuar mandando...mas não mandam mais, ou mandam? Quando vem que vão perder...contratam um hacker russo espião, e raqueam as principais autoridades do Brasil, da Justiça Federal, do Ministério Público,e outros...como se isso fosse absolutamente normal. Mas não é...ou é? E a gente preocupado com a Grampolândia Pantaneira, onde acusaram um simples Cabo que cumpriu ordens. Ontem, um telejornal mostrou que começou um raqueamento de celulares adoidado, no Brasil. Descobriram que mesmo que o cara nem esteja usando o aparelho, eles entram no celular. Vem aí um festival de raqueamento. Tomara que eles raqueiem celulares dos Corruptores, Corruptos e Laranjas, que tem demais. Enquanto tem esse imbróglio todo...o Impostômetro informa que até este instante, o povo brasileiro já pagou de Impostos este ano: 1 TRILHÃO e 375 BILHÕES DE REAIS...e a Imprensa informou que 29% desse TRILHÃO tá escorrendo pelo ralo da Corrupção. Pois é, enquanto a turma do mal DETONA a Lava-Jato, DESMORALIZA a Justiça Federal, o Ministério Público, etc, a corruptália passa a mão no dinheiro do povo. O MORO, o DALLAGNOL, só cometeram um erro: deviam ter sido MAIS DUROS, MAIS IMPLACÁVEIS, com a corruptália toda...pra eles não passarem a mão em 29% de TRILHÃO nenhum.

Responder

3
3


Mariazinha - 21-07-2019 09:11:51

COMO IDENTIFICAR UM ROBÔ ; A- se o tema da reportagem é um ,e indefensável ,como ; ( paraíbas ,dito pelo bozó) ,o robô entra com outro tema longo ,que não há a menor ligação ,,com a reportagem. B- eles estão presentes em todas os temas que dizem respeito ao Bozó ,aos filhos , Ministros e Politicos do clã . C - sempre repete o que já foi dito ,distraindo a atençao do leitor ,para que este não concentre no tema sugerido . D- os likes dados a eles contam com a participação de outros robôs que agem em parceria . E- percebam que a maioria são CÓPIA E COLA . EXEMPLO ; 50% dos LIKES dados aos FILHOS e do BOZÓ saem de APENAS DEZ PERFÍS !!! Dai que os desavisados acham que tem um grande apoio . Isso foi feiro na ELEIÇÃO !!! Eles são contratados e pagos com dinheiro do contribuinte . Obs; existem também os de frases curtas e provocativas.

Responder

3
3


Carlos Nunes - 20-07-2019 16:38:50

Li recentemente que parece que o BOLSONARO falou sobre a Fome no Brasil, não entrei em detalhes sobre essa notícia, mas ele tá certo numa coisa: o povo não era pra passar fome, principalmente aqui em Mato Grosso, aqui em Cuiabá. A Prefeitura devia fazer tanques de peixes, pomares, cultivo de verduras, etc. tudo MUNICIPAL...e distribuir de graças pros mais necessitados, e a preço de custo pros remediados. Gastam dinheiro a toa com tanta bobagem, deviam gastar uma parte do dinheiro pra montar isso. Aí, NINGUÉM IA MORRER DE FOME. Aqui tem terra sobrando...lá em Israel, que é deserto, eles gastaram um fortuna pra produzir. Quem deveria fazer tudo isso, por aqui, é a Secretaria Municipal de Agricultura. Peixe a vontade...em vários tanques. Frutas, Verduras, em abundância. Enquanto não fazem isso, o povo paga um peixe caro, e nem come verduras e frutas porque é caro também. Não precisa de Filosofia pra fazer isso...precisa ser PRÁTICO A BEÇA.

Responder

6
3


Carlos Nunes - 20-07-2019 16:17:42

As Universidades brasileiras viraram um ser complexo, que ninguém entende...e caro. Fiz meu curso universitário, e do que aprendi lá não apliquei nem 40%...60% não serviu pra nada. Pra mim é perda de tempo e dinheiro jogado fora. Muita teoria inútil, um blá, blá, blá, danado...isso afasta o jovem do ensino. Não tamos mais na fase da Filosofia...do "to be or not to be". A história mundial passou por isso na Idade Média...onde os nobres, filósofos, ficaram pobres e só com os títulos, barão, conde, marquês, duque...enquanto os burgueses, classe dos negociantes, ficaram milionários, sem a filosofia. Foram eles que patrocinaram as expedições do Vasco da Gama, Pedro Álvares Cabral, pois elas iam em busca das especiarias da Índia que valiam uma nota. Conclusão: nobres filósofos pobres, comerciantes ricos...acabaram casando as filhas com os nobres, por causa dos títulos. Filosofia nunca encheu a barriga de ninguém. O mundo real é prático. Filosofia é pra país muito rico...que tem tempo em descobrir quem nasceu primeiro: o ôvo ou a galinha. O prático que fica rico, monta vários viveiros de galinhas e fica milionário. O negócio é vender o ôvo e a galinha.

Responder

4
8


alexandre - 20-07-2019 15:38:18

O FIES da Dilma, não é isso ? Dívidas eternas..

Responder

5
3


Carlos Nunes - 20-07-2019 15:19:00

Por que será que há evasão escolar no Brasil? Não precisa ser gênio pra saber que é PORQUE os jovens tão desestimulados de estudar. Nas Universidades tem muita TEORIA e pouca prática. Mas esse MUITA TEORIA É MUITA TEORIA MESMO. A realidade dura, nua e crua não é teórica, É PRÁTICA PRA BURRO. Devia ensinar mais a prática e menos a teoria...O jovem quer estudar e ganhar seu dinheiro mais rápido... O curso universitário podia ser mais curto de tempo, mais prático...só com as matérias que estimulem os jovens a não evadir da escola. O maior exemplo de falha no Ensino é o Curso de Direito, onde o jovem passa 5 ANOS ralando, passando por provas e mais provas...aí, recebe o Diploma, faz o tal de Exame da Ordem e é reprovado. O que adiantou os 5 ANOS ralando pra burro, se a OAB dá o Atestado de que o aluno não tá preparado pra ser Advogado? A OAB mostra que as Universidades não ensinaram bulhufas, os alunos não aprenderam nada. Se as Universidades tivessem realmente ensinado, e os alunos aprendidos...todos passariam no Exame. Sinples assim...1 mais 1 só dá 2. Nesta matéria Opinião de ex-reitor é igual opinião de ex-presidente...tem que perguntar pro Reitor atual, pro presidente atual.

Responder

4
5


mané - 20-07-2019 13:44:29

Querem se espelhar nos EUA . Esquecem que lá ,é o País mais rico do planeta , teria esta condição . TERIA !!! Mas o que se vê por lá são formandos e récem formandos , ENDIVIDADOS ,eles e as familias afogados , e sem perspectiva de se livrarem das FINANCEIRAS !!! Lá , a DIVIDA ESTUDANTIL , atinge o TRILHÃO E QUINHENTOS BILHÕES DE DÓLARES !!! Maior que as dividas com CARTÃO de CRÉDITO e IMOBILIÁRIAS e da compra de AUTOMÓVEIS !!! QUATRO entre DEZ estudantes ten dividas VENCIDAS !!! kkkkkk.... e tem um ASNO AQUI que quer ensino como o de lá ....o tal ASNO vive de RELINCHOS ....kkkkkk

Responder

8
1


alexandre - 20-07-2019 13:25:58

Querem que o governo continue pagando descontroles, falta de gestão e feudo da esquerda..

Responder

6
8


8 comentários