Mato Grosso recebe remessa de cloroquina para tratamento do coronavírus | MUVUCA POPULAR

Quarta-feira, 03 de Junho de 2020

POLÍTICA Quarta-feira, 01 de Abril de 2020, 10h:13 | - A | + A




Infectados

Mato Grosso recebe remessa de cloroquina para tratamento do coronavírus

Secretário de Saúde afirma estar trabalhando no protocolo de uso


redacaomuvuca@gmail.com

Foto: Reprodução

Mato Grosso recebeu 3 mil comprimidos de cloroquina e hidroxicloroquina, que devem ser usados no tratamento de pacientes graves da Covid-19. “Confirmo o recebimento. Agora, existe protocolo extenso (para uso), não dá para explicar. É um documento bastante extenso, já editado pelo próprio Ministério da Saúde. Os nossos profissionais estarão trabalhando muito no entendimento dele para fazer protocolo uniforme para ser utilizado em todos os nossos hospitais”, disse o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo.

O gestor também confirmou que o Ministério enviou uma remessa de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para uso dos profissionais no Estado. Segundo ele, a quantidade é insuficiente. “Aquilo que o Ministério mandou não chega a 20% da demanda. Para atender esta necessidade, estamos importando da China, tem fornecedor brasileiro e fizemos parceria com o Senai, que vai fabricar 1 milhão de máscaras. Temos doações de inúmeras instituições. Aquilo que recebemos do Ministério não é suficiente para atender uma semana de demanda”, afirmou Gilberto.

O secretário aproveitou a entrevista, concedida por meio de uma rede social, para explicar a diferença de tempo na divulgação dos resultados dos materiais analisados pelo Laboratório Central (Lacen). “Se um caso a ser analisado é de Cuiabá, logicamente que a velocidade será maior do que se for lá de Colniza. Depende da agilidade e capacidade do município em atender aos requisitos necessários na hora de colher a amostra. Além disso, há casos mais graves, que precisam, logicamente, de uma velocidade maior. Existem os casos indicados para exames, mas que os sintomas não são tão graves. Temos alguns critérios estabelecidos”.

Ao responder as perguntas dos jornalistas, Gilberto descartou a possibilidade de construção de hospitais de campanha, medida adotada em alguns estados brasileiros. “Não existe esta ideia. Para nós não seria útil. Há impossibilidade mercadológica para adquirir equipamentos. Um leito para atender as resolutividades do paciente da Covid precisa de respiradores, fonte de oxigênio, enfim, infraestrutura. Vamos buscar suprir a nossa necessidade. Além daquela instalada no governo do Estado e hospitais públicos contratualizados, vamos contratar leitos de unidades privadas”.

Figueiredo garantiu que o número de Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs) é suficiente para o momento atual. “Não temos nenhum caso de paciente internado demandando por leito do sistema único. A maioria está internada em hospitais privados. O número que temos hoje é considerado bom. O Hospital Júlio Muller já está em condições de receber pacientes, o Santa Casa também. Estamos ampliando estes números com o Metropolitano. Também estamos em fase final para ampliar mais 100 leitos de UTI e 513 leitos clínicos nos hospitais regionais”.

Até o momento, conforme dados divulgados pela pasta de Saúde, Mato Grosso tem confirmados 25 casos de coronavírus. Desde segunda-feira (30), seguindo orientações do Ministério da Saúde, o Estado não divulga mais o número de casos suspeitos. Gilberto acredita que há uma subnotificação em Mato Grosso. “Toda subnotificação é ruim. É uma informação que precisa ter. Existe legislação que obriga a notificação. Agora, eu não posso estimar o que não é notificado. Estamos fazendo um esforço de convencimento dos hospitais públicos e privados para que façam a notificação. Por enquanto, tenho que acreditar no que é notificado”.

A previsão, conforme o gestor, é de que o número de casos tenha um aumento nas próximas semanas. “Temos uma previsão de que a situação deve se agravar a partir da segunda quinzena de abril e primeira semana de maio. Torcemos para que isso não aconteça. Eu sou um cara otimista, estou trabalhando para enfrentar o pior cenário. Não deixaremos de adotar todas as medidas necessárias”.

Dos 25 pacientes com Covid-19, oito estão hospitalizados – quatro em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e quatro em enfermaria. Cuiabá lidera o ranking com 18 casos confirmados. Na sequência aparece, Rondonópolis com 4 casos, Várzea Grande com 2. Outro é no Nortão, em Nova Monte Verde (467 km de Sinop). A média de idade dos confirmados é de 42 anos.

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(4) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Marcos - 01-04-2020 16:30:54

O presidente Bolsonaro demonstra a sua competência combatendo a causa do problema.

Responder

3
0


Mariazinha - 01-04-2020 11:46:31

*** VAGABUNDO VIRTUAL NÃO SE CANSA ***

Responder

0
2


olavo - 02-04-2020 09:42:27

Se vc pegar a parte chinesa, faça um favor, pede para ilo médico não usar a cloroquina em vc, pois foi o Bolsonaro que disse que o remédio ia curar e todos xingaram, e disseram q ele é maluco, então faz um favor não tome...seja uma FDP com palavra dessa vez e morra sem tomar a cloroquina...

Responder

0
0


Carlos Nunes - 01-04-2020 11:26:11

BOLSONARO ordenou que os Laboratórios do Exército, Marinha e Aeronáutica produzam 1 MILHÃO de comprimidos de cloroquina por mês...já tão produzindo. E também o álcool gel. Isso vai abastecer todo o país. Essa produção vai aumentar rapidamente. Não vai haver falta de cloroquina no país em pouco tempo.

Responder

4
2


4 comentários

coluna popular
Fundo Social Solidário do Município
Rede de lojas tentou driblar decreto
Alfineta chefe da Casa Civil
Confira nesta quarta (3)
Suspeita de coronavírus

Últimas Notícias
03.06.2020 - 08:14
03.06.2020 - 00:01
02.06.2020 - 23:04
02.06.2020 - 22:39
02.06.2020 - 20:45




Informe Publicitário