Podemos confirma expulsão de Marco Feliciano | MUVUCA POPULAR

Segunda-feira, 30 de Março de 2020

POLÍTICA Terça-feira, 07 de Janeiro de 2020, 09h:23 | - A | + A




Nacional

Podemos confirma expulsão de Marco Feliciano

Por unanimidade, direção nacional da legenda confirma expulsão do parlamentar, que pretende concorrer à prefeitura de São Paulo nas próximas eleições

Reprodução

Marco Feliciano

 

Em reunião realizada nesta segunda-feira (6), a Executiva Nacional do Podemos decidiu confirmar, de forma unânime, a expulsão do deputado federal Marco Feliciano (SP), vice-líder do governo Bolsonaro no Congresso.

Segundo reportagem de Gustavo Maia, do jornal O Globo, a assessoria do partido afirmou que a decisão se deu por “incompatibilidade política”, devido à proximidade de Feliciano com Bolsonaro. O Podemos se declara “independente” enquanto o pastor evangélico afirma “apoio irrestrito” ao presidente.

Na denúncia apresentada por filiados e aceita pelo presidente estadual do Podemos em São Paulo, Mário Covas Neto, Feliciano era acusado de corrupção, assédio sexual, recebimento de propina, pagamento a funcionários fantasmas, até comentários incompatíveis sobre o cantor Caetano Veloso. Um dos casos destacados é o do polêmico tratamento dentário de R$ 157 mil.

Em nota, Feliciano disse que foi expulso “por infidelidade partidária, por fazer campanha para o presidente Bolsonaro em 2018. Qualquer outro motivo é fakenews”. “Basta ler o ato de expulsão que, literalmente, afastou qualquer alegação de conduta inadequada em meu mandato”, diz ainda.

Na nota, o deputado destaca que frações do partido não queriam a expulsão, mas optaram por reafirmar a decisão de São Paulo porque não haveria clima. Em declarações dadas em dezembro do ano passado, Feliciano afirmou que pretende concorrer à prefeitura da capital paulista como “candidato de Bolsonaro”, mas que não tem a intenção de ingressar no Aliança Pelo Brasil.

Confira a nota enviada pelo parlamentar:

Sobre minha expulsão do Podemos, assim me manifesto:

1 – Fui expulso por infidelidade partidária, por fazer campanha para o presidente Bolsonaro em 2018. Qualquer outro motivo é fakenews. Basta ler o ato de expulsão que, literalmente, afastou qualquer alegação de conduta inadequada em meu mandato.

2 – A Executiva Nacional do Podemos me procurou e externaram que não queriam minha saída. Inclusive o presidente estadual do PODEMOS, vereador Covas Neto, foi repreendido pela Executiva Nacional e pediu afastamento da presidência. Em resposta, disse que não havia mais clima para minha presença no partido, sendo todo dia atacado ora por Álvaro Dias, ora por Covas Neto.

3 – Covas Neto e Álvaro Dias só pensam em seus projetos pessoais e eleitoreiros, em detrimento dos interesses do Brasil e de São Paulo. Covas Neto transformou o Podemos de SP em um puxadinho do PSDB à serviço da candidatura do sobrinho. Já Álvaro Dias (que saiu anão da eleição presidencial com menos de 1% dos votos), age como o PT e aposta no quanto pior melhor. Ao invés de ajudar um Governo que não tem escândalo de corrupção e está tirando o Brasil do atoleiro, só pensa em ser presidente da República.

4 – Por fim, reafirmo aqui que para mim é motivo de orgulho ser expulso do Podemos por defender o presidente Bolsonaro, que está mudando o Brasil para melhor.

Deputado Federal Marco Feliciano
Vice-Líder do Governo no Congresso Nacional

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

maria - 07-01-2020 15:14:51

Este Estuprador tem vaga garantida no partido do BOZÓ !!!

Responder

1
0


1 comentários

coluna popular
Esposa do artista é assessora da primeira dama
Adiamento é prematuro
Órgão quer suspender reabertura do comércio
Empresários pedem o fim da medida de isolamento
Medida Provisória

Últimas Notícias
30.03.2020 - 11:09
30.03.2020 - 11:04
30.03.2020 - 10:38
30.03.2020 - 10:38
30.03.2020 - 10:28


Carlos Fávaro (PSD)

Coronel Rúbia (Patriota)

Elizeu Nascimento (DC)

Gisela Simona (Pros)

José Medeiros (Podemos)

Júlio Campos (DEM)

Nilson Leitão (PSDB)

Otaviano Piveta (PDT)

Procurador Mauro (PSOL)

Reinaldo Morais (PSC)

Valdir Barranco (PT)

(Nenhum deles)

Feliciano Azuaga



Informe Publicitário