Policiais civis querem paridade com militares na reforma da Previdência | MUVUCA POPULAR

Domingo, 25 de Agosto de 2019

POLÍTICA Quarta-feira, 22 de Maio de 2019, 11h:17 | - A | + A




Proposta de Bolsonaro

Policiais civis querem paridade com militares na reforma da Previdência

Manifestantes de vários estados brasileiros ocuparam o gramado do Congresso Nacional


De Brasília (Agência RBC News)

Cerca de 2,5 mil policiais civis, federais, rodoviários federais e guardas municipais de todo o Brasil ocuparam o gramado do Congresso Nacional na tarde desta terça-feira (21) para protestar contra a reforma da Previdência, que acaba com a aposentadoria especial da categoria. Eles reivindicam a paridade com os militares (das forças armadas e das polícias e bombeiros militares), que terão aposentadoria diferenciada contemplada na reforma.

As reivindicações dos manifestantes inclui ainda a seguridade de benefício para o risco de vida, o não aumento nas alíquotas previdenciárias e a manutenção integral das pensões para cônjuges de policiais. “O efeito dessa reforma passando do jeito que está vai ser o desinteresse pela carreira policial”, disse André Gutierrez, presidente da Confederação Brasileira dos Trabalhadores e Policiais Civis (Cobrapol). Ele lembrou que a maioria dos profissionais das carreiras policiais confiaram e votaram no presidente Jair Bolsonaro. “O mínimo que queremos é que ele reconheça o valor que temos”, agregou.

A manifestação foi organizada pela União dos Policiais do Brasil (UPB), que arregimenta todas as demais entidades das categorias de policiais, inclusive a Cobrapol. A todo o tempo os dirigentes de boa parte dessas categorias evitaram transformar o ato em protesto direto contra Jair Bolsonaro. Mas à medida que o ato foi crescendo e ganhando o apoio de parlamentares da oposição e até da situação, na foi possível segurar o descontentamento com o governo.

O tratamento diferenciado para os militares e para os demais policias foi o maior ponta da revolta. “As regras precisam ser as mesmas, já que a natureza do trabalho e os riscos são os mesmos”, afirmou o presidente da União Goiana dos Policiais Civis do Estado de Goiás (UGOPOCI), José Virgílio Dias.

Foi curioso observar durante a manifestação um personagem curioso, que se destacou entre as inúmeras faixas, cartazes, banneres e até mais de uma centena de cruzes ficadas no gramado, simulando um cemitério. Era o famoso pato amarelo, aquele inflado pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) em, protestos contra a ex-presidente Dilma Rousseff, aqui em Brasília e na avenida Paulista, em São Paulo. Só que desta fez o outrora cândido pato agora foi transformado em vilão, vestido de uma máscara de bandido.

Os policiais civis defendem a necessidade de aposentadoria policial com 55 anos de idade para homens e 52 anos para mulheres, com regras de transição equilibradas. As pautas principais dos servidores da segurança pública quanto à PEC 06/2919 são:

1) Aposentadoria policial com 55 anos para homens e 52 para mulheres, com regra de transição justa e equilibrada;

2) Paridade e integralidade para todos os policiais, independente da data da posse;

3) Manutenção do regime de pensão (salientando que os riscos que o policial corre, sua família também corre);

4) Mesmos benefícios que os militares estão se contemplando na reforma, já que a natureza do trabalho e os riscos são os mesmos.

No final do evento, foi realizado um abraço simbólico em volta do Ministério da Justiça e uma passeata em volta do Congresso Nacional

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(4) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Leite - 22-05-2019 14:18:01

Não essa reforma não essa maldade com os trabalhadores! Isso é desumanos absurdo ato de covardia contra os mas pobres!

Responder

1
1


Saí na frente - 22-05-2019 14:16:43

Não a reforma

Responder

2
1


ABSURDOS DO BRASIL - 22-05-2019 13:49:00

10 Propostas passadas à Bolsonaro quanto à previdência dos trabalhadores: 1°- Ninguém poderá mais fazer greves, manifestações, se associar a sindicatos (ou associações representantes de classe) e a partidos políticos. 2°- É proibido falar do governo. Entrevista só se for autorizado. 3°- Não há mais FGTS para ninguém; 4°- Não será mais pago hora-extra, em hipótese alguma; 5°- Não existe adicional noturno à ninguém; 6°- Não será pago periculosidade à ninguém; 7°- Insalubridade somente será paga em alguns casos raríssimos, muito específico; 8°- Caso o empregador necessite, o empregado estará disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana, sem custo algum para o empregador; 9°- Férias será a critério do patrão. Podendo ser interrompidas por necessidade do serviço. Não adianta se planejar. 10°- O trabalhador pode ser mandado à qualquer lugar do país, com ou sem família. Com ou sem tempo determinado. E para outros países também. Tudo a critério do patrão e a qualquer momento. Com estas 10 medidas o trabalhador poderá se aposentar com 30 anos de contribuição, porém, seguirá contribuindo para a previdência até o seu falecimento, nem que viva mais de 100 anos, continuará pagando; - Quando se aposentar o trabalhador receberá um bônus 4 salários em vez do FGTS (lembrando que ninguém tem direito a FGTS) ACHOU ABSURDO????????? Pois é assim o sistema previdenciário dos militares. E mesmo assim as missões constitucionais e os interesses da nação continuam sendo cumpridos desde o Império.

Responder

1
3


Polícia Civil, Federal, Ferroviária, Rod - 24-05-2019 11:57:34

É ASSIM, E TAMBÉM SÃO PARA TODOS OS POLICIAIS CIVIS, DA UNIÃO, DISTRITO FEDERAL E ESTADOS, EXATAMENTE COMO OS MILITARES, SENDO ASSIM, NADA MAIS JUSTO QUE SEJAM CONTEMPLADOS DA MESMA FORMA, COM CORREÇÃO DOS SALÁRIOS E SUBSÍDIOS, COM A PARIDADE E INTEGRALIDADE DOS PROVENTOS, INCLUSIVE NAS SUAS PENSÕES. ABSURDO DO BRASIL É TRATAR OS IGUAIS DESIGUALMENTE PRESIDENTE!

Responder

0
0


4 comentários