Sindicalista desmente Secretária de Educação | MUVUCA POPULAR

Segunda-feira, 24 de Junho de 2019

POLÍTICA Sábado, 25 de Maio de 2019, 10h:26 | - A | + A




Sem reajuste de 64%

Sindicalista desmente Secretária de Educação

Diretor do Sintep-MT, Gilson Romeu, disse que Mendes não deu aumento de 64% quando era prefeito


redacaomuvuca@gmail.com

WhatsApp Image 2019-05-25 at 08.00.01.jpeg

 

O Diretor do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), Gilson Romeu Cunha, afirmou em entrevista exclusiva ao emanuelzinho, que o aumento divulgado pela Secretária de Educação de Mauro Mendes (DEM), é mentira.  

A representante da Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT), teria pedido paciência aos professores que deflagraram greve. Além, de afirmar que quando Mendes esteve na gestão municipal, os servidores da educação passaram pela mesma situação, mas logo em seguida, tiveram um aumento salarial de 64,4%. 

“O governador impediu qualquer possibilidade de negociação, ele apareceu todo prepotente, autoritário, desrespeitoso com o funcionalismo público, e com os servidores da educação. Inclusive, nós o apelidamos de ‘Mauro Mente’, porque essa entrevista que a secretária deu é mentirosa”, declarou o Gilson Romeu. 

De acordo com o sindicalista, houve de fato uma negociação, mas os servidores passaram por duas greves para que conseguissem dialogar com Mauro. 

“Na realidade, nós do Sintep-MT fizemos essa negociação das reposições salariais dos municípios, e não houve esse reajuste que eles estão falando. O que veio, não surgiu como dádiva, nós conquistamos através de duas greves, foram frutos de muita luta”, explicou. 

O professor ainda relembrou que as movimentações dos servidores da educação estão acontecendo desde o início da atual gestão, quando Mendes protocolou o “pacote de maldades” na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT).  

“Nós estamos perdendo direitos de forma desrespeitosa, desde quando ele mandou seu pacotão para a Assembleia. Ele está tentando retirar nossas conquistas que foram adquiridas com muito esforço. Estamos nos movimentando desde então”, disse. 

Para o docente, a declaração de Marioneide foi apenas uma forma de deslegitimar as mobilizações dos professores. 

“Nossa luta não é somente salarial, nossas licenças prêmios estavam congelas, são pedidos de reformas em escolas que estão praticamente caindo na cabeça dos alunos, prédios que estão rachados, enfim, essa greve chegou foi tarde”, argumentou o sindicalista. 

Além disso, Gilson Romeu enfatizou que não cabe a Marioneide solicitar que os servidores tenham paciência, pois a paralisação foi deliberada em conjunto após diversas tentativas de negociações diretas com o Governo do Estado.  

“Na realidade, não é cabível solicitar paciência aos servidores, eles nos empurraram para a greve, essa, que foi uma decisão soberana da categoria em assembleia geral. Desde o primeiro momento que Mendes assumiu o governo nós solicitamos uma audiência para discutir essas pautas, mas até o presente momento ele não recebeu o Sindicato”, esclareceu. 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Bolão - 25-05-2019 21:25:54

Nem o Governo Federal aceitou o Estado de calamidade pública em Mato Grosso. Fonte: https://g1.globo.com/mt/mato-grosso/noticia/2019/04/21/governo-federal-nao-reconhece-o-estado-de-calamidade-financeira-decretado-em-mt.ghtml O Estado de MT é um dos mais ricos do Brasil, essa conversa de quebradeira é só para enganar trouxa. A greve é legítima e além disso é um direito garantido pela Constituição Federal. É só pagar que não terá greve. Na campanha prometeu salários em dia com o pagamento da RGA respeitando os direitos dos Servidores Públicos de MT. O povo está de olho!

Responder

13
1


1 comentários