Sintep-MT manifesta repúdio ao projeto de militarização das escolas | MUVUCA POPULAR

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2019

POLÍTICA Segunda-feira, 07 de Outubro de 2019, 16h:35 | - A | + A




Moção de repúdio

Sintep-MT manifesta repúdio ao projeto de militarização das escolas

Sindicato critica proposta e aponta que programa fere a democracia das escolas públicas


redacaomuvuca@gmail.com

Foto: Reprodução

O Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), divulgou uma moção de repúdio nesta segunda-feira (7), contra a militarização nas escolas proposta pelo atual governo federal.

Conforme a classe, a medida imposta pelo presidente, Jair Bolsonaro (PSL), é antidemocrática, visto que, não contempla todos os estados brasileiros.

“Todos os governadores dos Estados da região Sul, Norte e Centro-Oeste, somados aos gestores de Minas Gerais e do Ceará, aderiram ao programa do governo Bolsonaro, enquanto que oito Estados da região nordeste brasileira, juntamente com os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo o rejeitaram. Isso significa que 15 Estados e o Distrito Federal decidiram aderir ao programa, ao passo que 11 Estados se negaram a entrar no programa”, aparece na moção.

Além disso, o texto alerta para os malefícios que a falta de um profissional da Educação qualificado pode trazer para o ensino público, já que a militarização das escolas já tem se tornado uma prática comum no país.

“Os/as educadores/as brasileiros/as repudiam esse programa que fere a gestão democrática de nossas escolas públicas e defendem que o ensino militar se circunscreva aos colégios militares que já existem no país. Denunciamos o processo de militarização crescente de nossas escolas públicas e alertamos à sociedade brasileira para o risco de não termos profissionais de educação devidamente qualificados para o processo de ensino-aprendizagem que uma educação de qualidade requer e exige”, alertou o sindicato.

O decreto

O Governo Federal editou no último dia 6 de setembro o Decreto nº 10.004/2019, da Secretaria Geral da Presidência da República, que criou o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares – Pecim para a adesão voluntárias dos entes federados.

No último dia 1º de outubro, pouco menos de um mês depois da criação da iniciativa de militarizar as escolas públicas brasileiras, o Ministério da Educação, por meio de sua Subsecretaria de Fomento às Escolas Cívico-Militares da Secretaria de Educação Básica, torna público os Estados da Federação que decidiram aderir ao programa.

 

VOLTAR IMPRIMIR

COMENTÁRIOS

(10) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do MPopular. Clique aqui para denunciar um comentário.

Teodorico Montemayor - CP-45 - 08-10-2019 12:35:42

O problema das escolas militares, não militarizadas, é que ao longo do tempo, a cultura da juventude vai mudar e vai secar a boquinha dos esquerdista, dos petistas (no BRASIL) e estão nesse desespero todo! Todo petista, Gleisi, Barranco, Alexandre Cezar, Ludio, Serys (essa abriu os olhos , mudou e sumiu), Mercadante, Lula, Dilma, Haddad (um turco fulero), Delubio, Vacari, Zé Dirceu, estão com medo do futuro que será imposto a seus herdeiros, uma corja de vagabundos e escória da sociedade! Mas com a grana que amealharam vão viver no ostracismo e no esquecimento uma boa vida no exterior! Mas irão levar pro resto da vista, na biografia de seus antepassados, a pecha de corruptos, de ladrões da nação e se sentirão envergonhados, se moral e caráter tiverem para se declararem como tal!

Responder

2
4


alexandre - 08-10-2019 12:30:38

Infelizmente, nossas escolas foram tomadas pela balburdia, funk, erotismo, desrespeito aos professores, ideologia de esquerda, precisa mudar tudo isso...

Responder

2
3


pedro paulo - 08-10-2019 11:26:55

Não entendo o motivo da polêmica! tão criando escolas militares! deixem que criem! quem quizer colocar os filhos nas escolas militares que coloquem! quem não quizer que coloquem nas escolas normais!

Responder

5
2


Zé ingênuo - 08-10-2019 10:08:27

"Pelos campos há fome em grandes plantações... ( ) Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição; De morrer pela pátria e viver sem razão." O que precisa é pai e mãe assumirem suas responsabilidades e passar a exercer autoridade sobre seus filhos e abraçar suas obrigações como formadores. Mais leitura e menos whatsapp. Mais acompanhamento e cobranças e menos "festas". Prestar continência aos "superiores" não o faz melhor aluno. Ensine-o a buscar nos livros e na prática os princípios da Educação, os Valores e os Fundamentos ético e morais de sua existência. Um jovem coeducado pela Família e a Escola não precisa de "cabrestos" para viver a vida.

Responder

3
1


alex r - 09-10-2019 11:00:25

TEORIA É LINDA.. MAS 0 DE PRÁTICA! O povo honesto prefere cidadãos que diga "sim senhor" e "não senhor" que um bando de bandidos dizendo "passa a grana" pq o modelo atual é isso.

Responder

0
0


alex r - 08-10-2019 08:26:28

Educadores , mais de 1 década seguindo este modelo e hoje temos um país acéfalo! Puxem pelo pingo de consciência e vejam o estrago que fizeram, sim os senhores também são responsáveis! Se há uma alternativa vamos experimentar é a única coisa boa que vi do governo até o presente momento. Pq ? Alunos sem disciplina não tem respeito , vejo todo dia professores reclamando que são ameaçados , agredidos e coagidos por alunos! Então militarismo pode ser uma solução, vamos tentar!!!!

Responder

4
6


Bolão - 07-10-2019 20:56:24

Isso é mais uma asneira do governo do boçal Bolsoasno! Assim como as instituições privadas levaram pau no ENADE, as Escolas militares em MT também levaram, só que no ENEM. A Tiradentes de Cuiabá não chegou à 600 pontos na média. Esse governo precisa criar vergonha na cara e investir mais na Educação Básica, nas estruturas das Escolas e na formação de Professores. Está aí mais uma mentira do governo Bozo. Qualquer um pode consultar no site do INEP as notas de todas as Escolas do Brasil. Indisciplina sempre existiu e antigamente era muito pior. Meu Pai foi aluno do Colégio Salesiano São Gonçalo nos anos 50 e lá alunos tiravam o documento e batiam na mesa para as Professoras que saiam chorando de sala de aula e os Padres não faziam nada inclusive o Padre Pombo. Para ele se defender ele contava que andava com um soco inglês, uma peixeira e um revólver calibre 38. Ele dizia que se não desse no braço dava na bala. Hoje vejo que se as famílias não pararem e refletirem sobre a Educação de seus filhos não é a Escola que mudará isso.

Responder

9
5


jose a silva - 08-10-2019 06:36:45

CALA A BOCA BOLÃO, SEU ASNO! SUA ANTA, TOUPEIRA TAPADA! ESTÃO VENDO AS MAMATAS ACABAREM, AS MORDOMIAS, TERÃO QUE APRENDER A TRABALHAR, AÍ VEM O ESPERNEIO, O DESESPERO! ATÉ O FIM DO GOVERNO BOLSONARO, DE OITO ANOS, ESSE BRASIL ESTARÁ MUITO MELHOR, COM O PT E ESSE SINTEP (COMPOSTO NA MAIORIA POR PETISTAS VAGALS) JOGADO AO OSTRACISMO QUE MERECE!

Responder

5
5


Bolão - 08-10-2019 17:05:59

Seu líder Bolsoasno já era! junto com a familícia, o Flavinho e o Queiróz. Aceita que dói menos!

Responder

0
0


alexandre - 07-10-2019 16:58:38

Querem que continue a balburdia e falta de disciplina, nas escolas..com ensinamento de ideologias de esquerda..

Responder

5
9


10 comentários